O volume de embalagens plásticas flexíveis produzido no ano passado foi de 2.167 mil toneladas frente às 2.139 mil toneladas fabricadas em 2021, um aumento de 1,3%, dado este que foi obtido a partir de um estudo encomendado pela Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis (ABIEF) à Maxiquim.

 

A pesquisa mostrou que o polietileno de baixa densidade (PEBD) e o polietileno linear de baixa densidade (PELBD) foram os mais consumidos pelo setor de embalagens flexíveis em 2022, representando, juntos, 74% do total de resinas destinadas para esta indústria. Já o polipropileno (PP) e o polietileno de alta densidade (PEAD) representam 16% e 10% do montante, respectivamente. Além disso, foi apontado um aumento de 9% do consumo de resinas recicladas no ramo de embalagens flexíveis entre 2022 e 2021, em que foram consumidas 114 mil toneladas.

 

Também foi indicado que no ano passado houve aumento do consumo de embalagens flexíveis no ramo de bebidas (9%), na agropecuária (7%) e no setor de sacos e sacolas (2%), no Brasil. No que diz respeito às exportações, de acordo com o levantamento, foi percebido um aumento de 4,9%, cujo faturamento teve alta de 11,2%, chegando a US$ 369 milhões. Atualmente, o segmento de embalagens flexíveis representa 30% da produção da indústria de transformação de plásticos, ao passo que sua participação nas importações é de 12%. 

 

Rogério Mani, presidente da ABIEF, comentou sobre algumas das projeções para o setor para este ano: “a expectativa para 2023 é de que a demanda brasileira por embalagens plásticas flexíveis siga a trajetória de crescimento apresentada nos últimos anos, impulsionada pela perspectiva de redução da inflação e de juros ao longo do ano”. 

 

Mais informações podem ser obtidas pelo site da ABIEF.

 

Imagem: Pixabay

 

Mais notícias:

 

Embalagens contendo cobre prolongam o tempo de prateleira de alimentos

 

Stand-up pouch biodegradável para alimentos orgânicos

 

Como analisar o ciclo de vida de filmes plásticos usando método de cálculo

 

#ABIEF #Maxiquim #Embalagens #PI



Mais Notícias PI



A Lecar não vai mais produzir carros elétricos, mas sim híbridos.

Montadora brasileira vai redirecionar esforços antes dedicados à fabricação de carros elétricos para o desenvolvimento de veículos híbridos flex, com sistema de tração elétrico.

01/07/2024


Empresas de extrusão buscam atualização tecnológica

Ênfase no atendimento ao setor de embalagens e interesse por tecnologias habilitadoras da indústria 4.0 são tendências entre as empresas que processam materiais plásticos usando o processo de extrusão.

01/07/2024


Consumo de PVC aumentou entre 2022 e 2023

Pesquisa do IBPVC e da MaxiQuim revelou que o consumo aparente de PVC no País, nos dois últimos anos, passou de 1.024 para 1.122 toneladas.

25/06/2024