Um projeto conduzido em parceria pela Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) e a Marcopolo levou ao desenvolvimento e à fabricação de mais de 1.600 tetos feitos de alumínio para ônibus, que são usados para substituir coberturas desse tipo confeccionadas em fibra de vidro.

 

Reduzir o peso de carrocerias de ônibus urbanos e rodoviários é uma das premissas desse projeto. Os tetos feitos de alumínio, que têm versões com comprimento de até 12 metros e largura de 2,4 metros, estão presentes em veículos elétricos da série Attivi, e também nos modelos G8 (foto ao lado), ambos da Marcopolo.

 

De acordo com informações fornecidas à imprensa, o desenvolvimento dos tetos fabricados com alumínio teve como um de seus pilares o uso de tecnologia que proporciona a união mecânica por deformação a frio (clinching) de chapas e perfis metálicos. E isso proporcionou a redução de aproximadamente 100 kg do peso dos veículos.

Também faz parte desse projeto uma linha de produção que opera no Centro de Distribuição da CBA situado em Caxias do Sul (RS), cuja implantação, conforme foi informado à imprensa, teve investimento de R$ 4 milhões. Sua capacidade produtiva mensal é de 200 peças.

 

Além disso, as empresas estão à frente de trabalhos que envolvem a fabricação local de peças metálicas para veículos que se deslocam sobre trilhos, para transporte de passageiros e outras atividades. 

 

Imagens: Marcopolo/Divulgação.

 

Leia também:

 

Soldagem a laser na produção de motores elétricos

 

Consórcio industrial estuda a redução da pegada de carbono em operações de corte

 

Tinta cerâmica para marcação resiste ao processamento de peças sob alta temperatura

 

#CBA #Marcopolo #TetodeAlumínio #CorteeConformaçãodeMetais



Mais Notícias CCM



Cursos on-line do setor metalmecânico. Agenda começa em julho.

A ABM promove treinamentos cuja programação inclui conteúdo sobre estampagem, laminação, trefilação e aplicação de inteligência artificial (IA) em processos siderúrgicos.

15/07/2024


Conformação rotativa pode tornar viáveis as células a combustível

O Instituto Fraunhofer de Máquinas-Ferramenta e Tecnologia de Conformação (IWU) anunciou o desenvolvimento de um sistema rotativo para estampagem das finíssimas chapas metálicas usadas na montagem de placas bipolares que compõem as células a combustível. A novidade poderá reduzir os custos de produção dessas células, com impacto no mercado da mobilidade elétrica, tendo em vista que elas substituem as baterias.

15/07/2024


Prensas dobradeiras hidráulicas

Empresa brasileira comercializa prensas dobradeiras hidráulicas com força de 1.500 toneladas fabricadas em Portugal.

15/07/2024