A ProConcept Sistemas (Belo Horizonte, MG), especializada no desenvolvimento e implementação de sistemas de tecnologia da informação, firmou uma parceria com a RobotEasy (Joinville) startup catarinense criadora de uma plataforma para desenvolvimento de sistemas de automação robótica de processos (RPA, do inglês robotic process automation). O objetivo, segundo Elcio Pereira Diniz, CEO da ProConcept, é impulsionar o uso de robôs de software nas empresas brasileiras para automatizar operações manuais e repetitivas, em especial em ambientes industriais, a exemplo de empresas do setor de injeção de plásticos ou mesmo em ferramentarias.

 

Trata-se de um segmento bastante promissor e que, de acordo com relatório da consultoria Gartner, deverá movimentar globalmente US$ 3,35 bilhões em 2023. A RPA representa um dos primeiros passos para o que a instituição classificou como hiperautomação, ou seja, a adoção de um conjunto de tecnologias inovadoras e integradas para otimização de processos, e que deverá ganhar maior impulso a partir de 2024. A parceria entre a ProConcept e a RobotEasy alinha-se a essa tendência, tendo justamente como meta incentivar as empresas de todos os segmentos e portes no Brasil a cada vez mais investir em inovação.

 

Segundo Diniz, a automação de processos através de robotização é importante porque elimina erros comuns que são cometidos em atividades executadas manualmente, liberando as pessoas de fazer trabalhos repetitivos para que possam se ocupar com outras tarefas mais nobres e que agregam valor à empresa. “No Brasil ainda são as companhias de maior porte que investem em RPA, mas as menores também podem obter benefícios com seu emprego”, destaca o executivo.

 

Emanuele Bergui, CEO da RobotEasy, concorda que ainda é necessário fazer um trabalho de evangelização no mercado porque muitos empresários não conseguem ver que poderiam empregar mais tecnologia em seus processos para aumentar a produtividade, reduzir custos e obter rápido retorno do investimento. “Atualmente temos 44 clientes das áreas de indústria e serviços que utilizam nosso RPA, mas no momento estamos buscando companhias que faturam mais de R$ 300 milhões por ano porque consideramos que estão mais preparadas para a automatização. Empresas de portes menores também podem implementar a solução, mas antes precisam mudar o mindset, porque ainda estão centradas no operacional e não conseguem direcionar seus times para outras formas de atuação”, justifica Emanuele.

 

A parceria permitirá às empresas oferecerem ao mercado tecnologias como IoT, visão computacional e realidade aumentada.


 

Por onde começar

 

Tudo começa com a ida de um time da área técnica da RobotEasy no cliente para identificar como o robô deverá ser feito para atender às suas necessidades. A etapa seguinte é o desenvolvimento da solução que pode ser feita pela RobotEasy ou pelos parceiros. É oferecida também outra modalidade em que o cliente adquire a ferramenta para a sua própria equipe de TI desenvolver o robô. “Nesse caso vendemos os pacotes que denominamos de código de registro, e acompanhamos o desenvolvimento para que seja feito corretamente”, explica Emanuele.

 

Cada empresa tem uma necessidade diferente, mas em geral a porta de entrada do RPA é o setor financeiro, que utiliza a solução para automatizar atividades que eram feitas manualmente, como cadastros, faturamento, conciliação fiscal, conciliação de bancos, entre outras, e em seguida o setor de Recursos Humanos, que igualmente tem muitas demandas repetitivas. Mas há empresas que já utilizam a solução em vários setores, inclusive no chão de fábrica. “É o caso da Krona, fabricante de tubos e conexões, que conta com processos de injeção e extrusão, que foi nosso piloto lá no começo da RobotEasy, em 2019, e que atualmente possui células em todas as áreas da empresa”, exemplificou Emanuele.

 

O robô pode ser disponibilizado dentro do servidor do cliente que deve ser dedicado e ter uma especificação mínima de 8 GB, ou ainda, hospedado na nuvem da Amazon ou da RobotEasy. Após a entrega do robô é feita uma análise durante um período para verificar seu desempenho e, se necessário, fazer ajustes. Em seguida é oferecido o monitoramento de sustentação. Além disso, a empresa oferece quatro horas de suporte por mês para o cliente, caso precise fazer alguma mudança.


 

Foto: RobotEasy


 

Leia também:

 

Competências que podem acelerar a transformação digital na indústria

 

Segurança cibernética na pauta da indústria


 

#RobotEasy

 



Mais Notícias PI



Automação de baixo custo é o foco da nova unidade da Igus no Brasil

A empresa alemã inaugurou um centro de automação em Joinville (SC) para promover a disseminação do uso de sistemas robóticos em tarefas industriais.

05/07/2024


Empresas de extrusão buscam atualização tecnológica

Ênfase no atendimento ao setor de embalagens e interesse por tecnologias habilitadoras da indústria 4.0 são tendências entre as empresas que processam materiais plásticos usando o processo de extrusão.

01/07/2024


Máquina para soldagem a laser de plásticos é lançamento da Emerson

Equipamento proporciona soldagem livre de vibrações e é indicado para a união de peças plásticas com formato complexo para a área médico-hospitalar, indústria automotiva e de eletrodomésticos, entre outras.

04/06/2024