A Protolabs (Estados Unidos) anunciou a criação de um processo de acabamento para peças plásticas impressas em 3D que é capaz de melhorar a qualidade superficial , mesmo de componentes comgeometria muito complexa.

 

O novo processo, denominado “Vapour Smoothing”, algo como “suavização a vapor”, em tradução literal, está atualmente disponível para uso em peças impressas em PA12 e em TPU. De acordo com informações divulgadas pela empresa, esse pós-processamento permite obter uma qualidade superficial que, de outra forma, só seria alcançada via moldagem por injeção.

Enquanto a manufatura aditiva se destaca pela ampla liberdade de design do produto, sendo por isso especialmente adequada para produção de baixo volume, a moldagem por injeção é conhecida principalmente por suas vantagens na produção de grandes volumes de peças bem acabadas.

 

Uma diferença fundamental entre esses dois processos até agora era a qualidade da superfície, consideravelmente melhor quando obtida por injeção do que no caso das peças impressas em 3D. Os componentes acabados produzidos por manufatura aditiva normalmente têm uma superfície mais áspera, em parte devido aos espaços entre as camadas de material depositadas.

 

Essa característica é crítica no setor médico, assim como em qualquer outra aplicação em que as peças entrem em contato com fluidos ou nos casos em que a facilidade de limpeza é um fator de qualidade decisivo.

 

A técnica de acabamento superficial por vapor permite que peças obtidas por processos de impressão 3D como sinterização seletiva a laser (SLS) e fusão por jatos múltiplos (MultiJetFusion, MJF), ou mesmo por fusão de filamentos, tenham sua superfície suavizada e refinada.

Para isso, as peças são acondicionadas em uma câmara em que recebem aquecimento e um solvente que atua alisando a superfície e vedando as lacunas entre as camadas depositadas.

Além da melhora da qualidade superficial, as características físicas das peças também são alteradas, a exemplo do aumento do índice de alongamento até a ruptura. A impermeabilização obtida pelo método confere aos componentes propriedades importantes que os tornam adequados para uso em tanques, tubos e dutos de fluidos, tampas de válvulas e reservatórios de óleo, por exemplo, usadas em setores como automotivo, médico e em inúmeras aplicações industriais.


 

Foto: Protolabs




 

Conteúdo relacionado:

Fabricante de injetoras inaugura divisão de manufatura aditiva

Impressão 3D sobre eixo rotativo simplifica a criação de peças cilíndricas


 

#impressão3D #manufaturaaditiva #Protolabs




 



Mais Notícias PI



Alta resistência. PVDF com fibra de carbono para impressão 3D.

Material disponível globalmente é destinado a processos de manufatura aditiva que usam insumo em grânulos.

04/06/2024


3D CRIAR inicia a fabricação de filamentos de alto desempenho

Atender às necessidades do setor de assistência à produção fez com que a empresa optasse por fabricar localmente os filamentos de alto desempenho que utiliza em suas atividades.

13/12/2023


Instituto Mauá inaugura espaço para projetos multidisciplinares

Fab Lab Móvel é o nome da unidade recém-inaugurada, que faz parte de uma rede global de desenvolvimento de projetos que incluem a cultura maker.

06/10/2023