O designer industrial alemão Jonas Duteloff desenvolveu, como parte de seus estudos na Burg Giebichenstein Art College, a 3D Rotoprinter, uma impressora 3D que opera por FDM (fused deposition modeling, ou deposição de material fundido), depositando o filamento fundido sobre um eixo rotativo programado via CNC.

 

Trata-se de um protótipo de código aberto, criado no escopo do projeto Beyond the Lab, uma iniciativa que reúne pesquisa acadêmica, prática artística e a demanda econômica para alavancar projetos. Dentre os seus participantes estão empresas e instituições como o Instituto Fraunhofer, a desenvolvedora de sistemas Adobe, a Unesco e a Anistia Internacional.

 

Princípio de funcionamento

 

Os eixos rotativos que são comumente usados no fresamento CNC ou em máquinas a laser, permitem que uma maior variedade de componentes sejam processados com uma maior variedade de formas. No entanto, esses processos são subtrativos, enquanto a impressão 3D é aditiva, ou seja, adiciona material em torno do eixo em rotação.

 

 

A concepção em código aberto permite a colaboração
a comunicade de impressão 3D no projeto do equipemtno

 

A combinação dos movimentos lineares do cabeçote de impressão com os do eixo rotativo permite a confecção de formatos que são mais difíceis de obter na impressão sobre um envelope de trabalho típico das impressoras convencionais. Para apoiar a peça em execução é usada uma estrutura de suporte, que também facilita a remoção do componente impresso.

 

Um vídeo disponível no Youtube faz uma rápida demonstração do processo:

 

 

 

O autor do projeto enumera entre as vantagens do uso da 3D Rotoprinter a maior estabilidade das peças impressas; a economia de material devido à menor estrutura de suporte; a obtenção de superfícies de melhor qualidade; a grande variedade de formas e o aumento da velocidade de impressão, favorecida pela rotação do suporte fixado ao eixo. Jonas afirmou que atualmente está trabalhando em um segundo protótipo e em melhorias no software.

 

Como o equipamento foi desenvolvido em código aberto, a ideia é que a comunidade ligada à impressão 3D possa colaborar livremente.

 

Mais informações sobre os projetos do designer podem ser obtidas em www.jonas-duteloff.de

 

 

 

Comparação entre peças impressas em 3D
pelo processo convencional (cinza) e pelo processo rotativo

 

 

Fotos: 3D Rotoprinter

 

Conteúdo relacionado:

Fibra de carbono reciclada em filamento de PP

PLA antibacteriano para impressão 3D é desenvolvido no Brasil

 

 

#impressão3Drotativa #impressão3D  #3DRotoprinter

 

 



Mais Notícias PI



Moldes impressos em 3D podem representar economia de até 90%

Instituição voltada para a inovação em plásticos divulga estudo de viabilidade e relata obter até 900 ciclos de injeção com um ferramental impresso em 3D.

15/09/2021


Pódio olímpico feito com plástico reciclado

Pela primeira vez, desde o início das olimpíadas em 1896 na Grécia, os pódios olímpicos são feitos de plástico reciclado. A etapa 2020 dos jogos busca maiores índices de sustentabilidade.

04/08/2021


Fibra de carbono reciclada em filamento de PP

A Braskem desenvolveu um filamento de PP reforçado com fibra de carbono 100% reciclada, voltado à manufatura aditiva.

27/07/2021