A Telite, fabricante de telhas plásticas sediada em Comendador Levy Gasparian (RJ), fornece telhas feitas totalmente com PEAD reciclado e, em breve, pretende lançar um novo modelo com pastilhas fotovoltaicas contendo grafeno, que possuem a capacidade de gerar energia elétrica para residências, comércios e indústrias.

 

De acordo com Leonardo Retto, fundador da empresa, as telhas plásticas são fabricadas por meio de termoformação de chapas produzidas 100% com polietileno de alta densidade (PEAD) pós-consumo. As coberturas, com apenas sete quilos por unidade, possuem 4 mm de espessura e medem 1,10 x 1,90 m. Tais especificações proporcionariam benefícios como maior agilidade na obra, menor custo (devido ao peso) e maior durabilidade, se comparada a outras disponíveis no mercado.

 

Para a Telite, a novidade que envolve as telhas sustentáveis é o novo modelo fotovoltaico que, além de ser feita com material reciclado, possui pastilhas de 3,8 cm de diâmetro contendo grafeno em sua formulação patenteada, bem como outros materiais como eletrólitos e vidros condutores. As pastilhas têm o objetivo de oferecer uma solução energética mais limpa, ou seja, a produção de energia elétrica produzida a partir da luz solar, mesmo em dias nublados ou chuvosos.

 

O executivo comentou ainda que a tecnologia aplicada para captação de luz solar permite que cada placa de telha tenha capacidade para gerar 30 kWh por mês. Isso significa que uma residência poderá se tornar autossuficiente em produção de energia elétrica com a instalação de quatro telhas, as quais juntas poderão gerar 120 kWh mensais – média nacional de consumo de energia elétrica de uma residência pelo período de 30 dias.

 

As telhas sustentáveis já estão disponíveis para compra em parceria com varejistas como Magazine Luiza, Casas Bahia, Lojas Americanas, Shoptime, Leroy Merlin, Telhanorte e C&C. A previsão da empresa é que os novos modelos deverão chegar ao mercado, com preço alinhado à média das placas comuns (cerca de R$ 140,00 a R$ 150,00 a unidade), por volta de fevereiro de 2022, depois da certificação do Inmetro e da Aneel.

 

O desenvolvimento das tecnologias usando grafeno nas telhas de plástico reciclado continua, uma vez que a companhia afirmou já ter iniciado testes para adicionar o grafeno diretamente ao plástico por meio do uso de masterbatches de PEAD contendo o nanomaterial, já na extrusão das chapas.

 

Segundo Retto, a companhia já recolheu do meio ambiente e reinseriu na cadeia industrial cerca de 1.500 toneladas de resíduos plásticos. Por meio de sua plataforma blockchain – um aplicativo que conecta consumidores, condomínios e indústria – a empresa conta com um sistema completo de rastreabilidade dos resíduos coletados.

 

Além disso, outros projetos para a aplicação dessa combinação de materiais, tais como a construção de cabines de recarga para veículos elétricos e de recarga para celulares, ambas construídas com as telhas solares, vêm sendo desenvolvidos. A Telite está em busca de parcerias com empresas e estados a fim de investir ainda mais em projetos inovadores com grafeno.

 

(Fotos: Telite)

#plasticoreciclado #telhadeplastico #peadreciclado #telite #grafeno #energiafotovoltaica

 

Conteúdo relacionado:

Acordo traça estratégia para indústria de grafeno no Brasil

Recuperação e reciclagem de plásticos aditivados ou contaminados

Recicladora e fabricante de produtos de plásticos investe em energia renovável



Mais Notícias PI



Sachês pós-consumo transformados em itens esportivos

Projeto que integra a Boomera e a marca Nescau resultou na reciclagem de resina pós-consumo, proveniente de embalagens flexíveis, em itens esportivos, os quais foram doados a organização beneficente.

14/01/2022


Empresa supera sua meta de uso de material reciclado

A SC Johnson superou sua meta de uso de 15% de plástico reciclado em suas embalagens quatro anos antes do previsto e, agora, quase dobra a aposta para usar 25% até 2025.

12/01/2022


Alta da produção de resinas recicladas nos últimos anos

Mais de um milhão de toneladas de resinas recicladas foram produzidas em 2020 no Brasil, de acordo com levantamento da MaxiQuim. Também foi percebido aumento do consumo de resíduos plásticos entre 2019 e 2020.

07/12/2021