A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e a Planar – empresa de consultoria internacional especializada em grafeno e materiais avançados 2D – firmaram um acordo para criar uma rede de inovação entre as Unidades Embrapii voltadas para o fomento de pesquisa e desenvolvimento (P&D) com o grafeno, com o propósito de elevar o nível de maturidade tecnológica relativo ao uso desse material para o desenvolvimento de novas aplicações comerciais.

 

Como já mencionado por Plástico Industrial na matéria “Grafeno em larga escala: um novo ativo para o desenvolvimento da indústria”, publicada em maio de 2020, o grafeno é considerado o material do futuro e é hoje um insumo praticamente consolidado e disponível para testes em diferentes aplicações, sobretudo no desenvolvimento de compósitos poliméricos, que podem adquirir um pouco das suas excepcionais propriedades térmicas, mecânicas e elétricas a partir da adição de pequenas frações. Embora envolva tecnologia avançada, a sua obtenção não é mais um segredo, a sua popularização está se tornando uma realidade.

 

A assinatura do acordo, que ocorreu na última quarta-feira (14) via live no YouTube, contou com a presença do Prêmio Nobel de Física pelo isolamento do material Konstantin Novoselov, e do secretário de empreendedorismo e inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), Paulo Alvim. O vídeo pode ser assistido na íntegra a seguir:

 

 

 

Segundo Carlos Eduardo Pereira, diretor de operações da Embrapii, “o grafeno terá um grande impacto na indústria, capaz de transformar modelos de negócio, padrões de concorrência e estruturas de mercado. Com a parceria, pretendemos promover a colaboração recíproca, agregar conhecimento e promover a inovação com o uso do material em nossas unidades. Assim, poderemos atender a um amplo espectro de setores industriais potencialmente beneficiados pela exploração de tecnologia, tornando nossa indústria mais forte e competitiva”.

 

Além das conhecidas vantagens de leveza, condução térmica e elétrica, baixa espessura e alto índice de desempenho mecânico (mais forte que o aço), somam-se à lista de características a flexibilidade, impermeabilidade e transparência do material. Para Ricardo Schaefer, CEO da Planar, a combinação de tais propriedades torna o grafeno uma opção tecnológica com potencial de impacto positivo em dezenas de setores industriais.

 

Ainda segundo Schaefer, a parceria com a Embrapii significa poder elevar o nível de maturidade tecnológica relativo ao uso do grafeno por meio de projetos cooperativos de P&D que busquem identificar e criar rotas para o desenvolvimento de novas aplicações comerciais. O Brasil é um dos países com maior reserva de grafite, fonte do grafeno, ao lado da China e do Canadá.

 

(Foto: Pixabay)

#grafeno #rededeinovacao #compositopolimerico

 

Conteúdo relacionado:

Grafeno em larga escala: um novo ativo para o desenvolvimento da indústria

Máscaras ultrafinas de grafeno estão em desenvolvimento no Brasil



Mais Notícias PI



Menos produtos descontinuados na indústria

Associação Brasileira de Automação (GS1 Brasil) apurou uma menor taxa de “descontinuação” de linhas de produtos na indústria, um sinal de recuperação das atividades.

26/05/2022


Impressora 3D é divulgada em feira

Equipamento conta com câmara ativamente aquecida e pode processar materiais como PA e PC.

24/05/2022


Mais aproveitamento na reciclagem de fios e cabos 

Empresa do ABC paulista desenvolveu maquinário que separa o material polimérico dos metais presentes em fios e cabos, garantindo, em alguns casos, 99,9% de pureza para o cobre obtido.

26/05/2022