Pesquisas realizadas na área de termoplásticos no Brasil estão levando ao desenvolvimento de uma gama de produtos que apresentam propriedades virucidas, ou seja, que podem impedir a propagação da Covid-19 e de outras doenças provocadas por microrganismos.

 

Empresa brasileira desenvolve termoplásticos antivirais

Recentes trabalhos realizados no País já possibilitaram a criação de equipamentos de proteção individual como, por exemplo, máscaras antimicrobianas, assim como estão abrindo espaço para o desenvolvimento de nanomateriais que podem ter grande utilidade em aplicações desse tipo, como o grafeno.

 

E seguindo nesta toada, mais uma empresa do ramo de materiais poliméricos, a FCC, que tem sede no município de Campo Bom (RS), desenvolveu uma linha de elastômeros termoplásticos que têm capacidade de dificultar a ação de vírus, bactérias e fungos. A série recebeu o nome de “AntiViral” e passou a ser utilizada na fabricação de solas de calçados.

 

De acordo com Júlio Schmitt, diretor do departamento de inovação da companhia, as propriedades dos termoplásticos garantem proteção permanente, e fatores como uso e higienização contínuos dos solados não prejudicam o desempenho desses materiais.

 

Segundo ele, alguns comportamentos adotados como medida de proteção contra o contágio do novo coronavírus influenciaram a escolha por esse tipo de aplicação, principalmente no que diz respeito ao hábito de retirar os calçados antes de entrar em residências.

 

Os elastômeros termoplásticos virucidas obtiveram certificação internacional com base na norma ISO 21702 (Measurement of antiviral activity on plastics and other non-porous surfaces, ou “Medição da atividade antiviral em plásticos e outras superfícies não-porosas”, em tradução livre).

 

As características desses polímeros os tornam propícios à fabricação de outros produtos comumente presentes no dia a dia como embalagens para alimentos e bebidas, sacolas fornecidas em supermercados e sacos para lixo, ou ao desenvolvimento de equipamentos hospitalares com superfícies capazes de reduzir o tempo de vida de bactérias. No entanto, isso requer a análise dos profissionais envolvidos e de órgãos vigentes.

 

Mais informações sobre os materiais podem ser obtidas aqui. Confira também o nosso guia de fornecedores de materiais plásticos para a área médica.


 

Foto: FCC


 

Conteúdo relacionado:

Anvisa simplifica regularização de produtos para combate ao novo coronavírus

Como tirar proveito de propriedades inerentes a cada tipo de plástico


 

#FCC #Antiviral #Calçados #Termoplásticos #Elastômeros #Covid-19



Mais Notícias PI



Aditivo antimicrobiano para plásticos tem eficácia comprovada contra o novo coronavírus

Disponível no Brasil desde 2016 e fornecida na forma líquida ou em grânulos, a substância foi avaliada e teve sua eficácia comprovada em testes laboratoriais que apontaram a redução de mais de 99,84% do coronavírus presente nas superfícies dos plásticos analisados.

05/08/2020


Filme plástico antiembaçante facilita a comunicação

Desenvolvimento surgiu da demanda por máscaras faciais de proteção para pessoas com deficiência auditiva e que fazem leitura labial.

31/07/2020


Barreiras de proteção em PETG

Devido à sua alta transparência e resistência mecânica, o termoplástico PETG passou a ser usado na fabricação de paredes divisórias, mais uma oportunidade para empresas do ramo de plásticos.

30/07/2020