O índice de reciclagem de resíduos plásticos pós-consumo no Brasil fechou o ano de 2021 na casa dos 23,4%. No mesmo período também foi registrado um incremento de 14,7% na produção de plástico reciclado pós-consumo, chegando a mais de 1 milhão de toneladas.

 

Os dados integram a pesquisa sobre a reciclagem mecânica de materiais plásticos para o ano de 2021, encomendada pelo Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast), parceria entre a Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), representante do setor de transformados plásticos e reciclagem, e a Braskem 

 

O estudo é realizado anualmente desde 2018 pela MaxiQuim, empresa de avaliação de negócios na indústria química com foco em análise de mercados e competitividade, e tem como objetivo mensurar o tamanho da indústria de reciclagem de plásticos no Brasil, acompanhando a evolução anual e os desafios do setor.

 

Em comunicado à imprensa foram informados alguns detalhes do estudo, relatados a seguir.


 

Recuperação e concentração

 

O ano de 2021 pode ser visto como um período de transição para a indústria de reciclagem brasileira, já que se observa uma recuperação da indústria frente à desaceleração causada pela pandemia de Covid-19 e, ao mesmo tempo, inicia-se um movimento de consolidação no mercado, com a formação de empresas de grande porte. Em termos de faturamento bruto, é possível perceber crescimento de 64,9% nos últimos três anos. Já em relação ao número de empresas do setor, nota-se diminuição de 5,4%, em comparação ao primeiro ano do estudo.


 


 

Volume de resíduos plásticos reciclados no Brasil

 

Em comparação com 2020, o índice de plásticos pós-consumo reciclados registrou leve aumento percentual (de 23,1% para 23,4%). É importante destacar o crescimento de 14,7% na produção de plástico reciclado pós-consumo, chegando a mais de 1 milhão de toneladas. Na comparação com 2018, esse crescimento é ainda maior, de 33,9%. “Esse dado de crescimento da produção de plástico reciclado pós-consumo mostra uma recuperação da indústria pós-pandemia, mas também uma maior utilização do PCR por parte das empresas. Acreditamos que a produção deve continuar a subir nos próximos anos, ajudando também no crescimento do índice de reciclagem”, explicou Solange Stumpf, sócia da MaxiQuim.


 

Volumes de resíduos plásticos consumidos no Brasil


 

Segundo o estudo, em 2021 foram consumidas 1,5 milhão de toneladas de resíduo plástico na reciclagem, representando um crescimento de 13,2% em relação a 2020, sendo que um pouco mais de 1,1 milhão de toneladas são de plástico pós-consumo, ou seja, material descartado em domicílios residenciais e em locais como shoppings centers, estabelecimentos comerciais, escritórios, entre outros. Outras 405 mil toneladas de plástico originam-se de resíduo pós-industrial, como sobras dos processos da indústria petroquímica, de transformação de plásticos e da própria reciclagem.

 

Do total de resíduos consumidos na reciclagem, 1.070 mil toneladas referem-se aos utensílios de uso único, categoria que representa as embalagens rígidas e flexíveis, além de outros tipos de descartáveis, sendo os produtos que mais passaram pelo processo de beneficiamento, representando 67,4% do montante reciclado em 2021, conforme gráfico abaixo.


 




“Os resíduos consumidos provenientes de artigos de uso único (embalagens e descartáveis) perderam proporcionalmente participação no total consumido em relação a 2020. Uma das hipóteses para isso é uma diminuição na utilização dos utensílios plásticos mais presentes durante a pandemia como, por exemplo, copos, talheres, recipientes para alimentação etc.”, complementou Solange.

 

Origem dos resíduos

 

As 1,5 milhão de toneladas de resíduo plástico consumidas chegaram às recicladoras por meio dos sucateiros (27%), beneficiadores (21%), empresas de gestão de resíduos (11%) e cooperativas (10%), entre outros.


 


 

Perdas no processo

 

O principal motivo de perdas no processamento ainda é a contaminação da sucata plástica com materiais indesejados, que ocorre pela dificuldade na etapa de triagem. Além disso, materiais como adesivos, sujeira orgânica e, dependendo do material, cores indesejadas, contribuem para o descarte da sucata adquirida. No total, foram 188 mil toneladas de material perdido durante os processos de reciclagem, um aumento de 11,4% em comparação a 2020, sendo o PET o material que mais sofreu perdas, devido também ao seu volume de consumo.

 

Produção de resina reciclada

 

Como mencionado, houve um aumento significativo na produção de resina pós-consumo, de 33,9% em relação a 2018. Em mais de 1 milhão de toneladas de resinas pós-consumo recicladas no ano passado, 40% foram de PET, seguidas por PEAD (20%), PP (17%) e PEBD/PELBD (15%).



 


 

Essas resinas recicladas se transformaram em produtos fabricados pelas indústrias de higiene, cosméticos e limpeza doméstica (13,8%); utilidades domésticas (10,4%); bebidas (10,3%); construção e infraestrutura (9,9%), agroindústria (9,5%), entre outros.

 

Produção de resina pós-consumo por região

 

A região Sudeste é a responsável por cerca de 53% da produção com 544 mil toneladas, seguida pela região Sul com 283 mil toneladas, Nordeste com 124 mil toneladas, Centro-Oeste com 48 mil toneladas e Norte com apenas 13 mil toneladas. “É importante destacar que, em 2021, a região Nordeste teve um crescimento de 30,3% na produção em comparação com 2020. O crescimento na produção ocorreu por dois fatores: recicladores das regiões Sul e Sudeste abrindo plantas no Nordeste por perceberem que conseguem resíduos com menos concorrência, e, por uma questão logística. É mais barato deixar o resíduo lá do que comprar e direcioná-lo para as regiões Sul ou Sudeste”, comentou a dirigente da MaxiQuim.


 



Índice de reciclagem mecânica


O índice de reciclagem mecânica dos plásticos pós-consumo ficou em 23,4% no Brasil, crescimento de 0,3% em relação a 2020. Esse número é calculado dividindo a quantidade de plástico pós-consumo reciclado pelo volume de plástico pós-consumo gerado. É importante destacar também o índice de recuperação, que em 2021 foi de 27,2%, e que considera toda a quantidade de resíduo consumido sem excluir as perdas no processo.

 

Além disso, esse ano, pela primeira vez, o estudo também calculou o índice de reciclagem para as embalagens plásticas, que ficou em 26,4%.



 



 

“Mesmo com uma pequena variação positiva no índice, é possível perceber que a reciclagem mecânica de plásticos vem se desenvolvendo rapidamente no País. O aumento registrado da produção de plástico reciclado é uma excelente notícia e acreditamos que nos próximos anos devemos acompanhar o crescimento desses índices”, finalizou Simone Carvalho, membro do comitê técnico do PICPlast.


 

Gráficos:Maxiquim/PICPlast

Imagem de abertura: rawpixel.com




 

 Conteúdo relacionado:

 

Reciclagem de PET em alta

 

Reciclagem de resíduos eletrônicos em programa socioambiental


 

#Reciclagem

#PICPlast


 



Mais Notícias PI



Quadro de bicicleta de plástico reciclado é lançado na Alemanha

A Igus e a Advanced Bikes desenvolveram um quadro de bicicleta fabricado por injeção. Ele é feito em uma peça única, sem soldas, e é composto por plásticos de alto desempenho reciclados e fibras de carbono.

16/07/2024


Medição on-line assegura a qualidade do material durante o processamento

Fabricante suíça de instrumentos de medição desenvolveu um viscosímetro com módulo de medição que analisa polímeros fundidos durante a extrusão.

16/07/2024


Banco de dados reúne informações sobre plásticos recicláveis

Pesquisadores dos Estados Unidos criaram um banco de dados com informações sobre caracterização de polímeros que deve servir como base para estudos sobre a reciclagem de plásticos.

17/07/2024