O avanço da mobilidade elétrica tem fomentado também a indústria de resinas plásticas e demais insumos. A suíça Clariant, que tem unidade brasileira em São Paulo (SP), vai exibir durante a feira K alguns aditivos que subsidiam o desenvolvimento de baterias mais seguras.

 

A empresa vai apresentar ao público novas aplicações para os retardantes de chama não halogenados, em soluções à base de poliamida e outros materiais termoplásticos, incluindo opções que contam com matérias-primas de fonte renovável certificadas pelo ISCC Plus – um instituto de sustentabilidade europeu –, que agora estão disponíveis para reduzir a dependência dos materiais de origem fóssil. Os itens pertencem à família “Terra” de produtos certificados e são processáveis nos mesmos equipamentos que os materiais convencionais.

 

Requisitos especiais

 

A tendência de acelerar o carregamento de baterias com o uso de voltagens mais altas está gerando a necessidade de materiais que ofereçam mais resistência ao trilhamento elétrico e retardamento da propagação de chama. Para os fabricantes de conectores de alta voltagem, barramentos elétricos e compartimentos de baterias a empresa desenvolveu a versão Terra do Exolit OP1400, um retardante de chama não halogenado, que proporciona um carregamento mais rápido.

 

O aditivo permite que compostos de poliamida satisfaçam rígidos padrões de segurança, tais como como o Underwriters’ Laboratories (UL) 94 V0, em conjunto com um índice Comparativo de Trilhamento superficial (CTI, de Comparative Tracking Index) de 600 V, de acordo com as normas IEC 60112 / ASTMD 3638.

 

Já os aditivos da linha Exolit OP, com certificação EcoTain, são fabricados nas instalações da Clariant certificadas pelo ISCC Plus e estão disponíveis como produtos certificados em balanço de massa.

 

Assim como seus equivalentes fósseis, os produtos da linha Terra têm pouco impacto na reciclabilidade do material e, portanto, adaptam-se tecnicamente à gestão de resíduos automotivos. A Clariant está construindo novas instalações de produção em Daya Bay, China, a fim de atender à crescente demanda por mobilidade elétrica, assim como a indústria de equipamentos e componentes eletroeletrônicos na Ásia.

 

A empresa também está participando do Projeto Revolução, uma ação de três anos financiada pela União Europeia que tem como objetivo desenvolver peças leves para carros e aumentar a sua circularidade facilitando a reciclagem de materiais e empregando polímeros reciclados. Entre as soluções oferecidas pela Clariant estão aditivos para a manutenção da qualidade dos reciclados, assim como aumento do conteúdo reciclado de peças acabadas de baixo peso e recicláveis.


 

Imagem: Clariant


 

Conteúdo relacionado:

 

Projeto promove a reciclagem de autopeças plásticas

 

Certificado europeu de qualidade para empresa brasileira

 

#Clariant

#FeiraK

#Mobilidadeelétrica



Mais Notícias PI



A ciência como base na reciclagem de plásticos e borrachas

Fundada por pesquisadoras da área de materiais, a startup de base tecnológica IQX desenvolveu aditivos que tornam viável a reciclagem de materiais como borracha vulcanizada.

17/07/2024


Dow adquire a recicladora Circulus e aumenta a sua oferta de PCR

A aquisição da recicladora de polietileno Circulus vai adicionar 50 mil toneladas à oferta de materiais reciclados anualmente e faz parte da meta Transform the Waste 2030 da Dow.

02/07/2024


Empresas firmam acordo para estruturar redes de reciclagem

Gerenciar redes de reciclagem de resíduos gerados pela produção de cartões plásticos do Grupo UP no Brasil é o objetivo da eureciclo.

25/06/2024