A quebra das cadeias de suprimento que se verificou em decorrência da pandemia de Covid-19, seguida pela eclosão do conflito entre Rússia e Ucrânia potencializou o desenvolvimento do mercado de resinas recicladas em nível global, e no Brasil não foi diferente. É o que mostram algumas das conclusões da sondagem realizada junto aos recicladores para a atualização do guia da oferta de resinas plásticas recicladas da revista Plástico Industrial: 77% das empresas participantes do guia notaram aumento da procura por reciclados como resultado do gargalo logístico pós-pandemia e da guerra na Ucrânia.

 

Diante da ameaça de escassez de matéria-prima, era natural que a cadeia de transformação de plásticos se voltasse para as inúmeras possibilidades de economia e de reuso das resinas de origem pós-industrial e também pós-consumo, cujo reaproveitamento envolve intenso trabalho de coleta, descontaminação e triagem com a participação de terceiros. O fortalecimento desse mercado se nota pela intenção de compra de máquinas: 58% das participantes informaram ter planos de adquirir novos equipamentos no próximo ano.

 

No que se refere à origem do material utilizado pelas empresas recicladoras, foi apurado que a maior parte dele (56,4%) é oriunda de borras e aparas pós-industriais, enquanto 43,6% provêm de material pós-consumo. Este, por sua vez, é obtido de diferentes formas, sendo 37% provenientes de empresas de triagem e pré-processamento, 20,4% de cooperativa de catadores, 17,4% da coleta em parceria com estabelecimentos comerciais, 4,7% de sistemas de coleta ligados a iniciativas do poder público, 7,9% de sistemas de coleta ligados a organizações não-governamentais (ONGs) e 12,6% vêm de sistemas próprios de coleta de material.

 

O fato de uma pequena parte do material ter origem em programas associados a qualquer estímulo do poder público mostra o quanto o mercado se organizou de forma livre, em resposta às oportunidades geradas pelo reaproveitamento de materiais.

 

A pandemia de Covid-19 foi uma variável importante nos últimos tempos para o setor em termos de demanda, mas de acordo com os dados informados pelos recicladores, pouco mudou com relação à disponibilidade de materiais recicláveis pós-consumo: 53% das empresas pesquisadas informaram dispor de maior oferta de materiais devido ao aumento do consumo de itens recicláveis nas residências, enquanto os restantes 47% não notaram alterações significativas.

 

A preocupação com a qualidade do material oferecido ao mercado é um item importante, que passou a integrar o planejamento das empresas recicladoras. O levantamento apontou que 29% delas já possuem equipamentos que descontaminam a resina reciclada e a tornam adequada para uso em contato com alimentos e bebidas. Somado à disposição para a compra de novos equipamentos apontada anteriormente, este dado leva a crer que boas notícias virão dos recicladores em um futuro próximo.


 

Foto: Freepik


 

Conteúdo relacionado:


 

Reciclagem mecânica e química em alta na K

 

Reciclagem de plásticos terá evento presencial em agosto


 

#reciclagem #PCR



Mais Notícias PI



Injetora híbrida com força de 1.800 kN

Arburg vai expor injetora híbrida e com menor consumo de energia.

23/07/2024


Fabricante de embalagens se prepara para possível nova seca em Manaus

Antevendo desafios logísticos, a Extrusa Pack vai estocar matéria-prima em suas unidades na região Sudeste e é parceira na implantação de um posto de distribuição no AM.

23/07/2024


Centro técnico da Engel passa a ser equipado com injetora de alta capacidade

A fabricante austríaca de injetoras ampliou o seu centro técnico com a instalação de uma injetora de 55.000 kN de força de fechamento, desenvolvida com foco nas necessidades da indústria automobilística.

23/07/2024