Um estudo coordenado pela BioLogiQ (Estados Unidos), que contou com a parceria da startup brasileira GreenPlat, mostrou que filmes fabricados a partir de uma linha de biopolímeros comercializados sob a marca NuPlastiq, desenvolvidos pela empresa norte-americana, podem ser reciclados e convertidos em novos filmes mais de uma vez.

Startup brasileira faz parceria com empresa dos Estados Unidos para executar pesquisa sobre reciclagem de biopolímeros

Os biopolímeros desta linha são produzidos a partir de amido de milho, batata ou mandioca – processo que consiste na conversão de pó de amido altamente cristalino em uma resina de baixa cristalinidade (principalmente amorfa) –, e sua reciclabilidade passou a ser analisada em 2019 por meio de pesquisas que envolveram a execução de ciclos de produção e de reciclagem mecânica de filmes plásticos.   


As etapas do estudo também abrangeram a submissão dos filmes feitos com biopolímeros a ensaios físico-químicos que, de acordo com Raphael Guiguer, que atua na gestão das operações da GreenPlat, contribuíram para “entender suas propriedades e como elas se comparam às do polietileno comum por meio de análises laboratoriais, para entender inclusive como esse material se comportaria na cadeia de reciclagem após o ‘estresse’ causado por diversas condições climáticas ou de utilização”.


Segundo informações da startup brasileira, já foram produzidas mais de 10 toneladas de matéria-prima para o estudo. O grau de reciclabilidade dos biopolímeros da marca NuPlastiq também é um dos interesses de associações ligadas à cadeia produtiva e de reciclagem de plásticos dos Estados Unidos. “O biopolímero da BioLogiQ, por si só, já é bem mais sustentável que o polímero oriundo do petróleo, pois tem menor pegada de carbono e vem de recursos renováveis. Mas a companhia precisava entender se o produto poderia ser reciclado e como ele impactaria a cadeia de reciclagem”, concluiu.


 

Reflexos do estudo no Brasil

A pesquisa realizada a partir do acordo consolidado entre a BioLogiQ e a GreenPlat também permitirá que parte das sobras do material usado no estudo seja destinada à fabricação de composteiras domésticas.

 

De acordo com informações da startup brasileira, uma das premissas dessa etapa do trabalho é doar composteiras para instituições da rede pública de ensino do Estado de São Paulo. O objetivo é que elas sirvam de instrumentos em disciplinas voltadas para a educação ambiental, por exemplo.

 

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 2337-4049 ou no site da companhia norte-americana. 


 

 

Imagem: BioLogiQ


 

Leia também:

 

Parceria promoverá a fabricação de telhas ecológicas

 

Mais aproveitamento na reciclagem de fios e cabos

 

#BioLogiQ #GreenPlat #Biopolímeros #PI

 


 



Mais Notícias PI



Investimento no setor de filmes de PVC

Empresas do ramo de filmes plásticos e de laminados sintéticos se unem para produzir embalagens para o ramo farmacêutico.

09/08/2022


Relatório aponta colapso dos preços globais de petroquímicos

Índice mensal da ICIS aponta queda acentuada dos preços, em cenário de recessão mundial.

09/08/2022


Energia limpa para o processo de rotomoldagem

Em projeto pioneiro, a Fortlev vai usar unidades de armazenamento de energia térmica para alimentar suas linhas de rotomoldagem de caixas d’água. Parceria com a fornecedora israelense também vai permitir que a empresa comercialize as unidades no Brasil.

09/08/2022