A holandesa colorFabb colocou em pré-venda seu novo grade de filamentos baseado em PHA, biopolímero com propriedades de biodegradação, para impressão 3D por meio do processo de FDM. Material tem previsão de envio a partir de junho.

 

 

O novo grade da companhia chamado de allPHA (pronunciado como “Alpha”, ou “Alfa” em português) utiliza as iniciais do poli(hidroxialcanoato) (PHA), sua matéria-prima, para nomear a linha que está disponível para pré-venda, nas cores preta, natural e branca. De acordo com informações da colorFabb, a linha allPHA é 100% proveniente de fontes biológicas e é 100% biodegradável, sem originar resíduos de microplásticos, desde que seja submetida às condições ideais de degradação.

 

O material desenvolvido é obtido por meio do processo natural de fermentação. Ao alimentar as bactérias com açúcares e óleos naturais, as bactérias criam células “gordurosas”, neste caso, o PHA. Portanto, ao final de sua vida útil, os microrganismos poderão comê-lo novamente. A velocidade da decomposição dependerá da espessura da peça impressa e de fatores ambientais como calor, umidade e atividade microbiana. Isso, para a colorFabb, o torna diferente dos filamentos baseados em poli(ácido láctico) (PLA), que só são biodegradáveis em ambiente de compostagem industrial.

 

Em testes de processamento, o allPHA demonstrou altos índices de adesão camada a camada na maioria das condições de impressão, bons níveis de resistência mecânica e estabilidade a temperaturas superiores a 120 °C. Sua densidade é de 1,24 g/cm³, possui Tg abaixo de 0 °C, temperatura recomendada de processo entre 190 e 200 °C e velocidade de impressão recomendada entre 40 e 80 mm/s.

 

 

Segundo a colorFabb, ao contrário de outros filamentos, o allPHA deve ser impresso em leito frio, com 100% de refrigeração por ventoinha. Como bônus, o uso de uma placa de construção não aquecida permite que os usuários imprimam de forma mais econômica e sustentável, uma vez que reduz o consumo de energia elétrica que seria direcionado para o aquecimento da mesa.

 

A companhia entende que, por possuir origem renovável, possibilidade de biodegradação e economizar de energia no processo, o allPHA seja uma das opções de material mais sustentável disponível atualmente, voltado à impressão 3D.

 

 

(Fotos: colorFabb)

 

Conteúdo relacionado:

Cartão bancário feito de plástico biodegradável

Ampliação da capacidade produtiva de bioplásticos no Brasil

Em boa hora: relógio feito com peças de bioplástico

 



Mais Notícias PI



ERT Bioplásticos tem novo conselho administrativo

À equipe da greentech ERT Bioplásticos foram integrados executivos que atuaram em empresas como Braskem e Rico Investimentos.

18/06/2024


Certificações levam à fabricação de mais produtos compostáveis

Bioplásticos à base de calcário recebem certificação que permite a produção de embalagens rígidas e itens de uso único compostáveis.

21/05/2024


Fabricante sueca de bioplásticos vai expandir presença mundial

Um novo aporte de recursos financeiros vai custear a atuação da Gaia Biomaterials em novos mercados, incluindo as Américas.

09/04/2024