A empresa alemã de estudos de mercado Ceresana anunciou a sua quinta edição do relatório sobre o mercado global para os aditivos estabilizadores usados no setor de plásticos, indicando que o volume de negócios em torno desse tipo de insumo chegará a cifras de até US$ 6,7 bilhões anuais até 2030.

A luz solar e o oxigênio são os mais importantes inimigos dos plásticos e são os fatores mais críticos de exposição dos produtos moldados. Sem produtos químicos estabilizadores, caixilhos de janelas, cabos e muitos outros produtos de plástico ou borracha não poderiam sobreviver por muito tempo e, em muitos casos, nem poderiam ser fabricados.

 

Aumenta a procura por estabilizadores ecológicos

 

De acordo com o estudo da Ceresana, os estabilizadores são principalmente baseados em metais pesados, tais como chumbo ou estanho, mas também em cálcio e outros materiais de partida. Como os estabilizadores contendo chumbo estão sendo gradativamente substituídos na maioria dos mercados, as versões à base de cálcio têm sido muito procuradas, especialmente no continente europeu.

Em outras regiões, a procura por estabilizadores alternativos mais compatíveis com o meio ambiente também está aumentando. O estudo prevê que a demanda global por estabilizadores à base de cálcio cresça 3,3% ao ano. Espera-se que as vendas de estabilizadores de estanho, mais comumente usados na América do Norte, atinjam cerca de 235.000 toneladas em 2030. No geral, a região da Ásia-Pacífico é o maior mercado de estabilizadores, com uma participação de cerca de 62%, seguida pela Europa Ocidental.

 

PVC no topo da demanda

A indústria que processa policloreto de vinila (PVC) é a maior consumidora de aditivos estabilizadores. Em especial, o setor de tubos plásticos consumiu cerca de 393 mil toneladas em 2020. A fabricação de perfis vem em segundo lugar, seguida por cabos e filmes. Como esses produtos são utilizados principalmente pela indústria da construção, o desenvolvimento desse segmento está diretamente associado à demanda por estabilizadores.

 

Previsões de mercado e análise da indústria para estabilizadores

O capítulo 1 do estudo fornece uma apresentação e análise do mercado global de estabilizadores de plástico, incluindo previsões até 2030. O consumo e a receita são descritos para cada região do mundo. Além disso, a demanda global e regional é analisada para cada tipo de produto e área de aplicação.

O capítulo 2 analisa a demanda e as receitas dos estabilizadores para 16 países, examinando em detalhes cada tipo de estabilizador e áreas de aplicação.

Já o capítulo 3 fornece perfis de empresas dos 70 mais importantes produtores de estabilizadores para plásticos e elastômeros.

 

Mais informações e amostras gratuitas do estudo de mercado “Estabilizadores” (5ª edição) podem ser obtidas aqui.


 

Foto: Ceresana



 

Conteúdo relacionado:

Mercado de máquinas e equipamentos em plena recuperação

Fabricação de motos e bicicletas deve demandar mais peças plásticas em 2022


 

#estabilizadoresparaplásticos   #Ceresana

 



Mais Notícias PI



A Lecar não vai mais produzir carros elétricos, mas sim híbridos.

Montadora brasileira vai redirecionar esforços antes dedicados à fabricação de carros elétricos para o desenvolvimento de veículos híbridos flex, com sistema de tração elétrico.

01/07/2024


Empresas de extrusão buscam atualização tecnológica

Ênfase no atendimento ao setor de embalagens e interesse por tecnologias habilitadoras da indústria 4.0 são tendências entre as empresas que processam materiais plásticos usando o processo de extrusão.

01/07/2024


Consumo de PVC aumentou entre 2022 e 2023

Pesquisa do IBPVC e da MaxiQuim revelou que o consumo aparente de PVC no País, nos dois últimos anos, passou de 1.024 para 1.122 toneladas.

25/06/2024