A Pilz, com matriz na Alemanha e filial em Indaiatuba (SP), forneceu informações sobre o lançamento de uma plataforma digital e de serviços baseados em licença para uso de software indicados para a conectividade entre máquinas e equipamentos do setor de plásticos.

 

Plataforma digital e serviços para conectar máquinas do chão de fábrica serão lançados pela Pilz

Chamada de Myzel, a plataforma consistirá em um sistema que reunirá ferramentas voltadas para o uso da empresa e de seus clientes. Entretanto, inicialmente serão implantados os recursos para uso exclusivo da prestadora de serviços e em seguida será disponibilizado aos contratantes o acesso a eles.

 

Outra novidade é que os usuários poderão contar com sistema de interfaces com base na arquitetura unificada OPC (OPC UA) para integração de injetoras, extrusoras, máquinas sopradoras, sensores, robôs colaborativos, sistemas de segurança e equipamentos industriais que realizam operações complementares e/ou para manufatura aditiva (impressão 3D), por exemplo.

 

Paulo Fernandes, diretor-geral da Pilz no Brasil, explicou que os pacotes de serviços poderão incluir acesso a “plataformas de comunicação universal utilizadas pela maioria das empresas da área de automação industrial, com o objetivo de integrar componentes por meio de uma linguagem comum”.

 

Ainda segundo o executivo, o lançamento de serviços para o ramo do plástico não pára por aí: “Também teremos outras novidades como as novas ferramentas que serão integradas ao MyPNOZ, que é um relé programável em nuvem, o primeiro produzido pela empresa com tecnologia dentro da linha de transformação digital”. De acordo com a companhia, os produtos passarão a ser oferecidos no mercado brasileiro este ano. 


 

 

Perspectiva de crescimento em 2022

 

Além da divulgação do lançamento dos sistemas digitais indicados para a área de processamento de polímeros, a Pilz tem boas perspectivas para o mercado brasileiro de digitalização industrial este ano.

 

Em comunicado à imprensa, a companhia informou que prevê para 2022 um crescimento em torno de dois dígitos, o que poderá ser propiciado pela comercialização dos seus novos serviços que se aproximam dos conceitos da Indústria 4.0.

 

Paulo Fernandes falou mais sobre este assunto: “Acreditamos em um crescimento acelerado, mesmo sendo um ano de eleição presidencial, que sempre gera dúvidas aos investidores diante de uma nova governança política”. Ele concluiu dizendo que, “a previsão é de que sejam aplicados R$ 2 bilhões na economia, injeção direta na indústria de bens de consumo”.


 

Saiba mais aqui. Confira também a seção de guias onde estão disponíveis informações sobre fornecedores de máquinas, equipamentos, matéria-prima e insumos para o ramo de plásticos no Brasil.


 

Imagem: Pixabay


 

Conteúdo relacionado:

 

Uma rede de produção para a impressão 3D

 

Novos polímeros com grafeno, mais resistentes e sustentáveis


 

#Pilz #Automação #indústria40 #PlásticoIndustrial









 



Mais Notícias PI



Injetoras verticais híbridas têm projeto ergonômico

Série de fabricante japonesa é voltada para a moldagem de peças compostas nos setores automobilístico e de eletroeletrônicos.

17/05/2022


Aumenta a demanda por aditivos retardantes de chama

Estudo feito por instituto alemão prevê alta do consumo de agentes retardantes de chama no ramo de fabricação de veículos elétricos.

10/05/2022


Linha de injetoras chega ao mercado nacional

Máquinas apresentam versões com força de fechamento de mais de 1.000 toneladas.

28/04/2022