A alemã Pilz, com filial em Indaiatuba (SP), divulgou que passará a comercializar no Brasil uma plataforma digital voltada para serviços baseados em licença para uso de recursos e software indicados para a conectividade entre máquinas e equipamentos do setor de corte e conformação de metais.

 

Pilz passará a comercializar plataforma digital para a indústria de processamento de metais

 

Trata-se de um ambiente virtual no qual serão disponibilizados recursos voltados para o uso da empresa e de seus clientes. Os usuários também poderão contar com sistema de interfaces com base na arquitetura unificada OPC (OPC UA) para integração de equipamentos para corte e conformação de chapas e tubos, sensores, robôs colaborativos, sistemas de segurança e equipamentos industriais que realizam operações complementares e/ou para manufatura aditiva (impressão 3D), por exemplo.

 

Além disso, Paulo Fernandes, diretor-geral da Pilz no Brasil, explicou que os pacotes de serviços poderão incluir acesso a “plataformas de comunicação universal utilizadas pela maioria das empresas da área de automação industrial, com o objetivo de integrar componentes por meio de uma linguagem comum”.

 

De acordo com ele, o lançamento de serviços para o setor metalmecânico não pára por aí: “Também teremos outras novidades como as novas ferramentas que serão integradas ao MyPNOZ, um relé programável em nuvem, o primeiro produzido pela empresa com tecnologia dentro da linha de transformação digital”.

 

Segundo a companhia, inicialmente serão implantados os recursos para uso exclusivo da prestadora de serviços e em seguida será disponibilizado aos contratantes o acesso a eles. Outra informação é que os produtos passarão a ser oferecidos no mercado brasileiro este ano. 


 

 

Crescimento previsto para os próximos meses

 

Ao passo que a Pilz divulgou o lançamento dos sistemas digitais indicados para a área de processamento de metais, a empresa anunciou o que espera para o mercado brasileiro de digitalização industrial em 2022.

 

Em comunicado à imprensa, a companhia informou que prevê um crescimento em torno de dois dígitos, o que poderá ser propiciado pela comercialização dos seus novos serviços que se aproximam dos conceitos da Indústria 4.0.

 

“Acreditamos em um crescimento acelerado, mesmo sendo um ano de eleição presidencial, que sempre gera dúvidas aos investidores diante de uma nova governança política”, disse Paulo Fernandes. O executivo falou mais sobre este assunto: “a previsão é de que sejam aplicados R$ 2 bilhões na economia, injeção direta na indústria de bens de consumo”.


 

Mais informações podem ser obtidas nesta página. Confira também a seção de guias onde estão disponíveis informações sobre fornecedores de máquinas, equipamentos, serviços e insumos para o ramo de processamento de metais no Brasil.


 

Imagem: Pixabay


 

Reportagens similares:

 

Soldagem robotizada em larga escala

 

Aumento do consumo de sucata metálica no mercado brasileiro


 

#Pilz #indústria40 #Digitalização #CorteeConformaçãodeMetais









 



Mais Notícias CCM



Eficiência energética na intralogística do segmento metalmecânico

Software calcula o consumo de energia de empilhadeiras elétricas usadas para a movimentação de bobinas e chapas.

30/06/2022


Fornecedores de sistemas MES têm novo escritório

Parceria entre desenvolvedores de sistemas para gestão da produção levou ao estabelecimento de unidade comercial em SP.

17/06/2022


Consultoria gratuita sobre eficiência energética tem inscrições abertas

Orientação de empresas para redução de gastos com energia é um dos temas de um programa que tem vagas disponíveis.

09/06/2022