Os países-membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) concordaram em atualizar as regras sobre a exportação de resíduos plásticos perigosos para reciclagem, de modo que o consentimento prévio dos países de destino seja necessário antes do envio. No entanto, não chegaram a um consenso sobre acordos atualizados para a exportação de resíduos plásticos não perigosos. A revisão, neste caso, ficou pautada para 2024.

 

As regras da OCDE se aplicam a todo o comércio de resíduos destinados a operações de valorização entre os 37 países-membros da Organização, dentre os quais o Brasil. Isso significa que embora todos os países da OCDE precisem obter permissão dos países de destino antes de enviar resíduos plásticos perigosos, não haverá controles específicos da OCDE sobre o transporte de resíduos plásticos não perigosos entre os países-membros. Os requisitos para essas remessas continuam sujeitos à legislação nacional e internacional que rege esse tipo de operação.

 

Embora cada país da OCDE possa decidir quais controles aplicar às remessas de resíduos plásticos não perigosos, eles se comprometeram a informar o Secretariado da OCDE sobre suas decisões, e a lista de controles aplicados será disponibilizada ao público para garantir a transparência. Resíduos de plástico não perigosos incluem tanto o resíduo limpo quanto o lixo plástico misto, contendo subprodutos que precisam ser descartados adequadamente.

 

Os membros da OCDE realizaram uma série de reuniões entre julho de 2019 e julho de 2020 para discutir se e como atualizar as regras sobre resíduos plásticos negociados entre os países-membros tendo em vista emendas feitas em maio de 2019 à Convenção de Basileia sobre o Controle de Movimentos Transfronteiriços de Resíduos perigosos e sua eliminação, que rege as remessas de resíduos internacionalmente.

 

Redução do comércio global de resíduos

 

A Convenção, um acordo entre 187 países, em vigor desde 1992, estabelece controles sobre o transporte de resíduos com o objetivo de proteger a saúde humana e o meio ambiente. As mudanças acordadas em 2019 entrarão em vigor em janeiro de 2021 e podem resultar em uma redução ainda maior no comércio global de resíduos plásticos.

 

As regras da OCDE permitem que os países-membros negociem resíduos para reciclagem de uma maneira ambientalmente correta e economicamente eficiente. Permitir que os resíduos sejam tratados em países com vantagens em termos de custo na classificação ou reciclagem pode ajudar a aumentar as taxas globais de reciclagem e fortalecer os mercados plásticos secundários.

 

As regras da OCDE também fornecem uma estrutura para o comércio de resíduos de ou para qualquer membro da OCDE que não seja integrante da Convenção da Basileia, como os Estados Unidos.

 

De acordo com informações da organização, 2% das cerca de 360 milhões de toneladas de resíduos plásticos produzidos globalmente a cada ano são exportados para tratamento. Os volumes totais de resíduos plásticos comercializados despencaram depois que a China introduziu restrições de importação no início de 2018, mas as remessas aumentaram para destinos alternativos que nem sempre estão bem equipados para gerenciar os subprodutos da reciclagem. A busca por novos mercados de reciclagem levou a maiores fluxos de resíduos plásticos para Tailândia, Malásia, Vietnã, Índia e Turquia. Outros grandes importadores da OCDE de resíduos plásticos para reciclagem incluem os Estados Unidos, Coreia, Canadá e países da União Europeia.

 

A atualização das regras da OCDE significa que os resíduos plásticos perigosos permanecerão sujeitos ao procedimento de controle "âmbar" da OCDE, segundo o qual o envio depende de um procedimento de consentimento prévio, mas para os resíduos plásticos não perigosos, cada país da OCDE mantém o seu direito de controlar os resíduos de acordo com o direito interno e internacional. A situação dos resíduos plásticos não perigosos será revista em 2024 e a OCDE fornecerá todo o apoio adequado aos seus membros, na esperança de que seja possível chegar a um acordo.

 

Um resumo completo da decisão do Conselho da OCDE sobre resíduos plásticos está disponível aqui.

 

O relatório da OCDE “Melhorando a gestão de plásticos: tendências, respostas políticas e o papel da cooperação e comércio internacionais” (2018) pode ser baixado aqui.

 

#comerciointernacionalderesíduosplásticos #OCDE

 

Conteúdo relacionado:

Avanços em pesquisa sobre reciclagem química

Coalizão para a reciclagem de PP



Mais Notícias PI



Menos produtos descontinuados na indústria

Associação Brasileira de Automação (GS1 Brasil) apurou uma menor taxa de “descontinuação” de linhas de produtos na indústria, um sinal de recuperação das atividades.

26/05/2022


Impressora 3D é divulgada em feira

Equipamento conta com câmara ativamente aquecida e pode processar materiais como PA e PC.

24/05/2022


Mais aproveitamento na reciclagem de fios e cabos 

Empresa do ABC paulista desenvolveu maquinário que separa o material polimérico dos metais presentes em fios e cabos, garantindo, em alguns casos, 99,9% de pureza para o cobre obtido.

26/05/2022