Os países-membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) concordaram em atualizar as regras sobre a exportação de resíduos plásticos perigosos para reciclagem, de modo que o consentimento prévio dos países de destino seja necessário antes do envio. No entanto, não chegaram a um consenso sobre acordos atualizados para a exportação de resíduos plásticos não perigosos. A revisão, neste caso, ficou pautada para 2024.

 

As regras da OCDE se aplicam a todo o comércio de resíduos destinados a operações de valorização entre os 37 países-membros da Organização, dentre os quais o Brasil. Isso significa que embora todos os países da OCDE precisem obter permissão dos países de destino antes de enviar resíduos plásticos perigosos, não haverá controles específicos da OCDE sobre o transporte de resíduos plásticos não perigosos entre os países-membros. Os requisitos para essas remessas continuam sujeitos à legislação nacional e internacional que rege esse tipo de operação.

 

Embora cada país da OCDE possa decidir quais controles aplicar às remessas de resíduos plásticos não perigosos, eles se comprometeram a informar o Secretariado da OCDE sobre suas decisões, e a lista de controles aplicados será disponibilizada ao público para garantir a transparência. Resíduos de plástico não perigosos incluem tanto o resíduo limpo quanto o lixo plástico misto, contendo subprodutos que precisam ser descartados adequadamente.

 

Os membros da OCDE realizaram uma série de reuniões entre julho de 2019 e julho de 2020 para discutir se e como atualizar as regras sobre resíduos plásticos negociados entre os países-membros tendo em vista emendas feitas em maio de 2019 à Convenção de Basileia sobre o Controle de Movimentos Transfronteiriços de Resíduos perigosos e sua eliminação, que rege as remessas de resíduos internacionalmente.

 

Redução do comércio global de resíduos

 

A Convenção, um acordo entre 187 países, em vigor desde 1992, estabelece controles sobre o transporte de resíduos com o objetivo de proteger a saúde humana e o meio ambiente. As mudanças acordadas em 2019 entrarão em vigor em janeiro de 2021 e podem resultar em uma redução ainda maior no comércio global de resíduos plásticos.

 

As regras da OCDE permitem que os países-membros negociem resíduos para reciclagem de uma maneira ambientalmente correta e economicamente eficiente. Permitir que os resíduos sejam tratados em países com vantagens em termos de custo na classificação ou reciclagem pode ajudar a aumentar as taxas globais de reciclagem e fortalecer os mercados plásticos secundários.

 

As regras da OCDE também fornecem uma estrutura para o comércio de resíduos de ou para qualquer membro da OCDE que não seja integrante da Convenção da Basileia, como os Estados Unidos.

 

De acordo com informações da organização, 2% das cerca de 360 milhões de toneladas de resíduos plásticos produzidos globalmente a cada ano são exportados para tratamento. Os volumes totais de resíduos plásticos comercializados despencaram depois que a China introduziu restrições de importação no início de 2018, mas as remessas aumentaram para destinos alternativos que nem sempre estão bem equipados para gerenciar os subprodutos da reciclagem. A busca por novos mercados de reciclagem levou a maiores fluxos de resíduos plásticos para Tailândia, Malásia, Vietnã, Índia e Turquia. Outros grandes importadores da OCDE de resíduos plásticos para reciclagem incluem os Estados Unidos, Coreia, Canadá e países da União Europeia.

 

A atualização das regras da OCDE significa que os resíduos plásticos perigosos permanecerão sujeitos ao procedimento de controle "âmbar" da OCDE, segundo o qual o envio depende de um procedimento de consentimento prévio, mas para os resíduos plásticos não perigosos, cada país da OCDE mantém o seu direito de controlar os resíduos de acordo com o direito interno e internacional. A situação dos resíduos plásticos não perigosos será revista em 2024 e a OCDE fornecerá todo o apoio adequado aos seus membros, na esperança de que seja possível chegar a um acordo.

 

Um resumo completo da decisão do Conselho da OCDE sobre resíduos plásticos está disponível aqui.

 

O relatório da OCDE “Melhorando a gestão de plásticos: tendências, respostas políticas e o papel da cooperação e comércio internacionais” (2018) pode ser baixado aqui.

 

#comerciointernacionalderesíduosplásticos #OCDE

 

Conteúdo relacionado:

Avanços em pesquisa sobre reciclagem química

Coalizão para a reciclagem de PP




Mais Notícias PI



Novo processo de reciclagem de embalagens multicamadas

Empresas alemãs se unem no desenvolvimento de um processo de reciclagem à base de solvente visando melhorar a oferta de plásticos provenientes de filmes multicamadas.

30/10/2020


Parceria evitará o descarte de resíduos plásticos em aterro sanitário

Acordo entre companhias prevê a triagem de resíduos plásticos domiciliares antes de seu descarte em aterro, reinserindo-os na indústria com o objetivo de estimular a economia circular.

30/10/2020


Estirênicos plenamente recicláveis

Trabalho conjunto entre a SCS e o Instituto Fraunhofer atestou a adequação do poliestireno reciclado para aplicações envolvendo o contato com alimentos.

29/10/2020