A Braskem assinou um acordo de cooperação com duas instituições de ensino e uma fabricante de catalisadores e aditivos voltados à indústria de refino de petróleo para viabilizar as próximas fases dos estudos sobre reciclagem química de plásticos pós-consumo e, consequentemente, promover soluções que fomentem a economia circular e o desenvolvimento sustentável.

 

O contrato foi firmado após a companhia participar de um processo seletivo aberto pelo Senai, por meio de edital público. Os investimentos nesta etapa da pesquisa estão estimados em R$ 2,7 milhões, entre recursos financeiros e humanos das instituições e empresas envolvidas. A parceria envolve o EngePol – Laboratório de Engenharia de Polímeros da COPPE/UFRJ (Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro) e o Senai CETIQT (por meio do Instituto Senai de Inovação em Biossintéticos e Fibras) – instituições de ensino que já possuiam parceria com a Braskem, além da Fábrica Carioca de Catalisadores (FCC S.A.).

 

Segundo informações da companhia, desde 2018 ela está empenhada nos esforços para aumentar a eficiência da tecnologia de pirólise, um processo que quebra as moléculas de um polímero por meio de aporte de calor, transformando-o novamente em matéria-prima que pode ser reinserida na cadeia produtiva do plástico. O objetivo do projeto é desenvolver catalisadores para melhorar a qualidade dos produtos gerados no processo de reciclagem química.

 

Esse projeto faz parte de uma série de iniciativas da empresa já citadas em outras notícias de Plástico Industrial para impulsionar o conceito de economia circular na cadeia de produção do plástico. Entre os pontos com os quais a companhia se compromete, estão o desenvolvimento de parcerias com os clientes na concepção de novos produtos para ampliar e facilitar a reciclagem e a reutilização de embalagens plásticas.

 

Para Gus Hutras, responsável pela área de tecnologia de processos da Braskem, “agora que contamos com um corpo de pesquisa ainda mais completo e acesso à tecnologia adequada, será possível ganhar agilidade para avançar no desenvolvimento de uma solução de reciclagem química viável técnica e economicamente. Esse projeto, que por enquanto é experimental, já demonstra grande potencial de impacto positivo”.

 

Fabiana Quiroga, responsável pela área de economia circular da Braskem na América do Sul, complementa citando a vantagem de investir na reciclagem química, tendo em vista que, a partir desse processo, o resíduo plástico descartado é processado e transformado em matéria-prima novamente, que por sua vez dará origem a novas resinas plásticas.

 

(Foto: Braskem)

#plastico #reciclagemquimica #pesquisa

 

Conteúdo relacionado:

Linha de aditivos melhora a qualidade dos reciclados

Investimento em reciclagem



Mais Notícias PI



Programa de reciclagem vai converter colchões de PU em novas espumas

Entidades formaram parceria para reciclar espumas de poliuretano provenientes de colchões descartados.

20/10/2021


PA reciclada a partir de aparas industriais

A japonesa UBE desenvolveu dois novos grades de PA reciclada proveniente de aparas industriais de filmes. O material é ideal para produção de monofilamentos.

15/10/2021


Programa que recolhe tampinhas assopra velinhas

Programa social de incentivo à reciclagem de tampas plásticas completa mais um ano com muitas toneladas recolhidas.

08/10/2021