Hellen Souza, da redação

 

Os fabricantes de produtos plásticos finais têm estado cada vez mais atentos à importância das cores quando o assunto é atrair a atenção do consumidor nas prateleiras e gôndolas. Por isso a sua relação com os estudos de tendências de cores tem-se intensificado nos últimos anos, em especial em setores como o de embalagens e utensílios domésticos.

 

Ao atualizar o guia de fornecedores de masterbatches, pigmentos e corantes, que reuniu informações sobre 32 empresas do setor, a Plástico Industrial as questionou também com relação às tendências de cores para o próximo ano, obtendo um percentual de respostas significativo. As empresas informaram fornecer sistemas de coloração compatíveis com polietileno (PE), polipropileno (PP), poliestireno (PS), poli(tereftalato de etileno) (PET), poli(cloreto de vinila) (PVC) e com plásticos de engenharia.

 

A primeira constatação foi a de que 72% das fornecedoras acompanham muito de perto as tendências baseadas em estudos de comportamento social e nas expectativas dos consumidores em relação aos produtos que eles adquirem.

 

Mencionados de forma espontânea, os estudos levados em conta por essas empresas para traçar as novas linhas de desenvolvimento dos seus sistemas de coloração foram Pantone (53% das pesquisadas), Clariant (9%), Americhem (3%) e Avient (9%), totalizando 74% das respostas. Os restantes 26% respondentes mencionaram como fonte de informação estudos realizados pelas empresas Ampacet e Eckart, além dos sistemas de classificação Ral Color Chart e Colour Index. Tendências do mundo da moda, informações internas e do mercado internacional também são referências para as empresas desenvolverem novas cores para o mercado do plástico.

 

Com relação à importância que seus clientes, as empresas de transformação, dão aos estudos de cores, foi constatado que todos estão atentos, em maior ou menor grau, a esse aspecto: 15% dão muita importância aos estudos de cores na escolha da coloração que darão para seus produtos, ao passo que 18% dão importância relativa e 67% não consideram esses estudos um fator determinante para a definição do aspecto de seus produtos finais, muito provavelmente por se tratar de itens técnicos ou destinados a aplicações em que a cor não tem grande influência na decisão de compra.

Finalmente, as fornecedoras constantes do guia foram convidadas a citar as suas apostas em termos de tendências para 2023, sugerindo as cores que deverão ser destaque no próximo ano. Entre elas estão o contraste branco/preto, os efeitos metalizados, laranjas e rosas, neon, variações de verde e azul, violeta, amarelos e rosas vibrantes, azul celeste, coral, cores pastéis e efeitos com glitter. Os “rosas” mencionados nas respostas, por sinal, certamente estão na paleta Viva Magenta (foto ao lado), definida pela Pantone como cor do ano para 2023, sob slogan “Welcome to the Magentaverse”, ou “Bem-vindo ao Magentaverso”. A profusão de tons que podem ser obtidos pode ser vista nas páginas das redes sociais da empresa, que é referência mundial na especificação de cores.

 

 

Imagens: DepositPhotos / Pantone

 

 

 

Conteúdo relacionado:

 

Consumo de masterbatches segue rota de expansão

 

Desenvolvimento local assegura o fornecimento de compostos

 

 

#Cores2023

 

 

 

 



Mais Notícias PI



A Lecar não vai mais produzir carros elétricos, mas sim híbridos.

Montadora brasileira vai redirecionar esforços antes dedicados à fabricação de carros elétricos para o desenvolvimento de veículos híbridos flex, com sistema de tração elétrico.

01/07/2024


Empresas de extrusão buscam atualização tecnológica

Ênfase no atendimento ao setor de embalagens e interesse por tecnologias habilitadoras da indústria 4.0 são tendências entre as empresas que processam materiais plásticos usando o processo de extrusão.

01/07/2024


Consumo de PVC aumentou entre 2022 e 2023

Pesquisa do IBPVC e da MaxiQuim revelou que o consumo aparente de PVC no País, nos dois últimos anos, passou de 1.024 para 1.122 toneladas.

25/06/2024