O grupo japonês Suntory anunciou no início de dezembro um importante passo em direção ao seu objetivo de usar garrafas PET 100% sustentáveis em nível global até 2030 e eliminar todo o plástico virgem à base de petróleo por bioplásticos nos frascos usados para o envase das bebidas das marcas do grupo, dentre as quais está, por exemplo,a Schweppes.

 

O protótipo de garrafa PET feito de materiais 100% vegetais foi produzido para a marca europeia de refrigerantes Orangina, e também para a sua marca de água mineral engarrafada vendida no Japão, a Suntory Tennensui . O anúncio sinaliza o avanço nas pesquisas conduzidas após uma parceria de quase uma década com a Anellotech, empresa de tecnologia sustentável com sede nos Estados Unidos.

 

O PET é produzido a partir de duas matérias-primas: 70% de ácido tereftálico (PTA) e 30% de monoetilenoglicol (MEG). O protótipo de garrafa vegetal da Suntory é feito combinando a nova tecnologia da Anellotech, um paraxileno vegetal derivado de aparas de madeira, que foi convertido em PTA vegetal, e MEG vegetal feito de melaço, que a Suntory tem usado em itens para a sua marca Suntory Tennensui no Japão desde 2013.

 

“Estamos muito satisfeitos com esta conquista, pois nos traz um passo mais perto de entregar esta garrafa PET sustentável às mãos de nossos consumidores”, disse Tsunehiko Yokoi, Diretor Executivo da Suntory. “Um aspecto importante desta tecnologia é que o PTA é produzido a partir de biomassa não alimentar para evitar a competição com a cadeia alimentar, enquanto o MEG também é derivado de matéria-prima não alimentar. ”

 

“Essa conquista é o resultado de mais de dez anos de trabalho de desenvolvimento meticuloso pelos funcionários da Anellotech, junto com a Suntory e outros parceiros”, disse David Sudolsky, presidente e diretor executivo da Anellotech. “A vantagem competitiva do processo Bio-Tcat, da Anellotech, usado na obtenção do paraxileno, é sua eficiência. Ele se baseia na catálise térmica em estágio único, que possibilita a transformação direta da biomassa nos aromáticos benzeno, tolueno e xileno. Ele também cria oportunidades de redução significativa das emissões de gases de efeito estufa em comparação com o paraxileno idêntico de origem fóssil usado na fabricação de PET, especialmente porque gera a energia necessária ao processo a partir da própria biomassa.”

 

A Suntory informou em comunicado à imprensa que deverá iniciar a comercialização da nova garrafa o mais breve possível, tendo em vista a contagem regressiva par atingir suas metas de sustentabilidade até 2030.


 

Foto (Suntory): garrafa em PET de origem 100% vegetal (com exceção do rótulo e da tampa)



 

Conteúdo relacionado:

 

Stand-up pouch biodegradável

Novo modelo de negócios simplifica a adoção dos bioplásticos




 

#Suntory #biobasedPET #PETdeorigemrenovável

 



Mais Notícias PI



Fibra de carbono de base biológica

Companhia belga estabeleceu um acordo que permitirá o desenvolvimento de fibra de carbono sustentável.

12/01/2022


Três vezes mais bioplásticos

Dados divulgados durante a 16ª Conferência da European Bioplastics, no início deste mês, apontam que a produção de bioplásticos deverá mais do que triplicar nos próximos cinco anos.

06/12/2021


Biopolímeros na indústria automobilística

Empresa desenvolveu graus de PLA que podem ser usados na fabricação de diversos componentes para veículos automotores.

22/11/2021