A Bio Elements, empresa de origem chilena desenvolvedora de resinas plásticas compostáveis e de origem renovável, está se instalando no Brasil com um modelo de negócio que enfatiza a aplicação imediata dessas resinas na moldagem de produtos.

 

Fundada em 2014 pelos sócios José Ignácio Parada e Juan Eduardo Joannon, a empresa desenvolveu a resina biobaseada Bio-E8, de origem renovável e biodegradável. Conforme o tipo de produto a ser moldado, ela pode receber a adição de poli(ácido láctico) (PLA) ou de poli(butileno adipato co-tereftalato) (PBAT). Todos são compostáveis por processo aeróbio, ou seja, na presença de oxigênio, e por biodegradação anaeróbia, ou seja, na ausência de oxigênio (tanto no modo termofílico como sob baixa temperatura).

 

Moldáveis principalmente pelos processos de extrusão e injeção, os materiais dão origem a produtos de uso diário que perdem sua massa naturalmente em até dois anos. Embalagens flexíveis e rígidas, tais como pouchs e sacolas para e-commerce, são os principais itens fabricados com a resina.

 

Parceria com convertedores

Mudar o paradigma atual da gestão de resíduos de maneira replicável para todos os tipos de indústrias era a principal proposta da empresa. Assim, a Bio Elements passou a desenvolver e capacitar parceiros do setor de transformação de plásticos que tivessem interesse em processar as suas resinas. O modelo já foi aplicado com cinco convertedoras no Chile, as quais estão produzindo embalagens biodegradáveis para marcas como Mercado Livre, a rede varejista local Linio, a rede de materiais para construção Sodimac e a Adidas.

 

Ao estabelecer o parceiro, a Bio Elements oferece assessoria para o desenvolvimento do produto final, realizando testes e acompanhando a entrada em operação da planta que irá processá-los.

O abastecimento de resina é assegurado pela unidade produtora da empresa, situada na cidade de Santiago, com capacidade atual de 1.200 toneladas mensais, a qual deverá subir para 2.500 em 2022.

 

A BioElements já possui escritório em São Paulo (SP), e também em países como Peru, Colômbia, México e Estados Unidos. Entre as diversas certificações que garantem o desempenho de seus produtos estão as fornecidas por instituições internacionais como a Diretoria de Pesquisas Científicas e Tecnológicas da Universidade Católica do Chile (DITUC), o Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação de Estruturas e Materiais da Universidade do Chile (IDIEM) e a Pontifícia Universidade Católica de Valparaíso (PUCV). No exterior, TUV (Áustria), UNAM (México), La Molina Agrarian University (Peru) e OWS (Bélgica) estudaram e certificaram seus bioprodutos. Mais recentemente, a empresa obteve também a certificação de segurança alimentar da agência norte-americana FDA (Food and Drugs Administration).

 

Empresas interessadas podem entrar em contato com a empresa pelo e-mail comercial@bioelementsla.com ou pela página no LinkedIn: https://www.linkedin.com/company/bioelements-group/mycompany/

 

Fotos: Bio Elements
 

Conteúdo relacionado:

Embalagens de rejunte feitas com biopolímeros

Bioplásticos, um mercado em formação no Brasil


 

#BioElements #resinasbiodegradáveis #bioplásticos



Mais Notícias PI



A indústria e a crise energética no Brasil

Uma visão de como os impactos causados pela crise energética podem promover a uma preparação para os próximos desafios.

08/12/2021


PET de origem vegetal na fabricação de garrafas para refrigerantes

Protótipo lançado este mês foi usado no envase do refrigerante da marca europeia Orangina. A comercialização deverá ter início em breve.

07/12/2021


Alta da produção de resinas recicladas nos últimos anos

Mais de um milhão de toneladas de resinas recicladas foram produzidas em 2020 no Brasil, de acordo com levantamento da MaxiQuim. Também foi percebido aumento do consumo de resíduos plásticos entre 2019 e 2020.

07/12/2021