A resistência à ação de agentes químicos é uma das características dos plásticos que contribuem para que esses materiais sejam os escolhidos para diversos tipos de aplicações envolvendo o contato constante com sanitizantes como cloro e água sanitária, quimicamente mais agressivos do que produtos de limpeza como sabões e detergentes, por exemplo.

Quanto mais plásticos anticorrosão, melhor

 

Na área de tratamento de água é fundamental que os componentes plásticos selecionados para constituir sistemas hidráulicos como tubulações, válvulas, dispositivos de medição, entre outros, apresentem alta resistência química, assim como alta resistência mecânica e térmica. 

 

De acordo com especialistas do segmento de tratamento de água e de equipamentos/sistemas hidráulicos, houve alta demanda por componentes fabricados com plásticos anticorrosão nessas áreas durante a pandemia de Covid-19. Eles atribuíram esse fato ao aumento do uso de cloro e água sanitária, produtos indicados para o combate à proliferação de microrganismos.

 

Valderi Souza, responsável pelo departamento de engenharia e assistência técnica da De Nora, com matriz na Itália e subsidiária em Sorocaba (SP), salientou a importância da utilização de plásticos anticorrosão nas operações realizadas pela companhia como, por exemplo, tratamento de água para plataformas de petróleo offshore, que consiste na aplicação de hipoclorito de sódio em tubulações visando ao impedimento do crescimento de algas.

 

“É crucial termos segurança antivazamento e anticorrosão em todo o sistema. Quando o fluido corrosivo entra em contato com os equipamentos feitos com plástico anticorrosão, estes não sofrem ataque químico”, complementou. Segundo ele, o aumento das vendas de serviços voltados para o tratamento de fluidos desde o início da atual crise sanitária foi de 30%.

 

Já Mateus Souza, gerente-geral de vendas da área industrial do Grupo GEMÜ, com matriz na Alemanha e unidade fabril no município de São José dos Pinhais (PR), mencionou outras características dos plásticos anticorrosão que devem ser consideradas em projetos de sistemas para tratamento de água cujos componentes terão alto contato com sanitizantes.

 

“Os plásticos apresentam resistência à tração, que pode impedir o surgimento de rupturas, bem como boa elasticidade, boas propriedades anti fricção e alta resistência química”. Além disso, ele comentou que tubos e outras peças feitas com esse tipo de plástico têm “peso baixo devido à sua densidade reduzida, são apropriados para a produção seriada, exigem poucas etapas de operação e possuem cores variáveis, o que pode auxiliar na identificação dos componentes”.

 

Ambos os especialistas ainda mencionaram que a utilização de plásticos com alta resistência química é recomendada para a configuração de sistemas para tratamento de água de piscinas, bem como para processamento de ácidos. Entre os exemplos indicados por eles estão válvulas e medidores de vazão fabricados com poli(cloreto de vinila) (PVC) ou polipropileno (PP).

 

 

Imagens: GEMÜ

 

Conteúdo relacionado:

Ficha técnica com as principais características, aplicações e propriedades do poli(cloreto de vinila) (PVC)

Termoplásticos com fibra de carbono impressos em 3D e em larga escala

 

#DeNora #GEMÜ #Sanitizantes #PlásticoAnticorrosão #Covid19



Mais Notícias PI



Molduras de EPS para acabamento de muros e fachadas

Peças indicadas para obra limpa são produzidas com poliestireno expandido e recebem revestimento de elastômero.

07/12/2021


Mobilidade elétrica: novos grades de PPA voltados à inovação sustentável

Empresa desenvolveu novas soluções de poliftalamida (PPA) projetadas para aplicações em componentes de transportes elétricos e em eletrônica de potência.

30/11/2021


Uso de polímero leva à redução da espessura de placas flexíveis de circuito impresso

​​​​​​​Placas de circuito impresso flexíveis com uma espessura total de menos de 20 mícrons e várias camadas de metalização foram desenvolvidas graças ao uso de parileno.

22/11/2021