A colombiana Recysol, especializada em gestão de resíduos e com subsidiária em Atibaia (SP), se uniu às empresas brasileiras Soluflex (São Paulo, SP) e Vedran (Mauá, SP) para promover a reciclagem do polivinil butiral (PVB) e desenvolver novos produtos a partir desse material.

Comumente usado na forma de película protetora em vidros laminados para automóveis, o PVB tem sido tratado como material pouco nobre após o uso. Porém, desde que reprocessado e aditivado, ele pode voltar para a cadeia de produção dos plásticos como insumo para a fabricação de geomembranas, como componente em blendas termoplásticas e como produto químico intermediário para a fabricação de tintas, impermeabilizantes e demais produtos para a construção civil.

As empresas juntas criaram uma rota de recuperação, venda e distribuição das resinas derivadas dos polivinis e suas blendas. “Criamos um sistema em que o grande diferencial está nas várias aplicações da resina pura e na sua modificação para que ela atue como aditivo em outros processos”, explicou Jairo Gonzalez, diretor da Recysol na Colômbia.

Ele explicou que antes de lançar os produtos oficialmente no mercado, apresentou a novidade em algumas empresas que ficaram satisfeitas com o resultado.

 

Resíduos darão origem a novos produtos

 

A Recysol atua no mercado há cerca de dez anos, com ênfase na indústria transformadora, fornecendo soluções e destinando a este mercado novos produtos e matérias-primas sustentáveis para diversos nichos de mercado. 

A empresa tem trabalhado há alguns anos com PVB e agora, com a colaboração das brasileiras Soluflex e Vedran passará a oferecê-lo como resina recuperada, um produto não tóxico, não corrosivo, com boas características de isolamento, propriedades de formação de filme, resistência ao impacto, com desempenho em substratos, boa resistência à tração, adesividade, elasticidade, resistência aos raios UV e ao envelhecimento, entre outras propriedades, podendo ser usada no revestimento de madeira e metais.

 

O composto também será aplicado no desenvolvimento de blendas com resinas naturais e sintéticas, como agente de plastificação, como modificador de impacto e na composição de masterbatches, além de adesivos de vedação, impermeabilizantes, tintas, geomembranas e materiais de recuperação para asfaltos.

 

 

Fotos: Os filmes de PVB antes do reprocessamento e depois de convertidos em grânulos por reciclagem mecânica (fotos: Recysol/Soluflex/Vedran)

 

 

Conteúdo relacionado:

PEAD reciclado passa a ser usado na fabricação de contêineres multicamadas

Economia circular ganha fôlego com a fusão de empresas do setor


 

#Recysol  #Vedran   #Soluflex   #PVB

 



Mais Notícias PI



Polímeros biodegradáveis e de base biológica em aplicações de uso único

A Milliken se uniu à GO!PHA para impulsionar a adoção de PHA, polímero biodegradável de base biológica, em embalagens de uso único.

21/01/2022


Lançamento para o ramo do plástico inclui plataforma digital e serviços

Empresa divulgou pacote de recursos digitais para conectividade no chão de fábrica a ser comercializado no Brasil.

21/01/2022


Uma rede de produção para a impressão 3D

A EOS passou a gerir sua própria rede de parceiros em manufatura aditiva, que conecta empresas de diversos portes para produzir peças impressas em 3D em larga escala.

20/01/2022