A britânica Symphony Environmental e sua representante brasileira, a RES Brasil, anunciaram a conclusão bem-sucedida de um estudo denominado Oxomar, realizado durante cinco anos e patrocinado pela Agência Nacional de Pesquisa (Agence Nationale de la Recherche, ANR) da França. O objetivo foi a formação de uma base de dados científicos abrangentes e confiáveis a respeito do desempenho no ambiente marinho do aditivo para polímeros d2w, promotor de oxibiodegradação.

 

De caráter multidisciplinar, o estudo levou em conta aspectos da física, química e biologia para avaliar o modo como plásticos contendo o aditivo se comportam nos oceanos. Entre as principais conclusões está o fato de a biodegradação ser indiscutível em ambiente marinho. Além disso, foi constatada a correlação direta dos resultados do laboratório com as condições do mundo real, somada à comprovação da transformação do material polimérico em oligômeros biodegradáveis, não tóxicos para criaturas marinhas.

 

A Symphony contribuiu para custear o projeto e o plástico oxibiodegradável que foi objeto do estudo continha os masterbatches oxibiodegradáveis d2w®, desenvolvidos pela empresa.

 

O relatório confirmou as descobertas de um relatório provisório datado de setembro de 2020, o qual atesta que “os plásticos oxibiodegradáveis se biodegradam na água do mar com uma eficiência significativamente maior do que os plásticos convencionais ", e que "o nível de oxidação obtido devido ao catalisador pró-degradante d2w foi considerado de crucial importância no processo de degradação.”

 

Foram confirmados assim estudos anteriores da Queen Mary University London (Reino Unido) e da Estação de Ensaios de Envelhecimento Natural de Bandol (Station d'Essais de Vieillissement Naturel à Bandol), da França), que aplicaram diferentes técnicas científicas para comprovar a biodegradação do plástico contendo d2w no ambiente marinho, sem deixar resíduos tóxicos. A taxa de biodegradação e a relação entre a geração de biomassa e a produção de CO2 também foram cuidadosamente estudadas.

 

Os testes de toxicidade executados no âmbito do Oxomar, no entanto, foram mais completos do que os de estudos anteriores, e uma ampla variedade de criaturas marinhas em diferentes níveis tróficos foi examinada. Os artigos científicos resultantes do estudo já foram publicados em revistas científicas, e seus os resultados foram apresentados em 13 conferências internacionais. Mais informações sobre o estudo podem ser obtidas aqui.


 

Conteúdo relacionado:

 

Fabricantes de máquinas se unem em prol da economia circular para os plásticos

 

programa vai promover a reciclagem e revalorização de resíduos plásticos



 

#RESBrasil   #d2w   #SymphonyEnvironmental



Mais Notícias PI



Polímeros biodegradáveis e de base biológica em aplicações de uso único

A Milliken se uniu à GO!PHA para impulsionar a adoção de PHA, polímero biodegradável de base biológica, em embalagens de uso único.

21/01/2022


Lançamento para o ramo do plástico inclui plataforma digital e serviços

Empresa divulgou pacote de recursos digitais para conectividade no chão de fábrica a ser comercializado no Brasil.

21/01/2022


Uma rede de produção para a impressão 3D

A EOS passou a gerir sua própria rede de parceiros em manufatura aditiva, que conecta empresas de diversos portes para produzir peças impressas em 3D em larga escala.

20/01/2022