Uma linha de máquinas capazes de fazer a triagem de grânulos plásticos separando-os por cor, indicada para processos de reciclagem, passou a ser fabricada no município catarinense de Joinville pela Satake, empresa que tem matriz no Japão.

 

Equipamentos capazes de separar plásticos por cor são fabricados no Brasil.

 

Os equipamentos se dividem em modelos denominados FMSR01-L, FMSR02-L (foto) e FMSR03-L, os quais podem processar por hora uma média de 300 a 700 kg de plásticos triturados por bandeja. Sua configuração consiste em sistema de alimentação por vibração, cuja fonte é monofásica e opera sob tensão de até 240 V, bem como uma, duas ou três bandejas, conforme o modelo de máquina, e ejetores com capacidade de vazão de 50 a 100 L/min.

 

No que diz respeito à tecnologia óptica e digital presente nas máquinas, o sistema é composto por câmera do tipo RGB full color com resolução de 0,14mm/pixels, fonte de iluminação e painel de controle com tela sensível ao toque (touch screen).

 

 

Segundo Laudelino Ramos, analista técnico comercial da companhia no Brasil, as máquinas de série FMSR podem identificar uma grande diversidade de cores e defeitos, e ainda podem ser programadas para fazer a seleção de plásticos triturados por tamanho ou formato. Segundo ele, a tecnologia empregada nesses modelos é a mesma usada pela empresa no Japão.

 

As máquinas são equipadas com tecnologia de inteligência artificial, o que facilita o seu manuseio. A Satake desenvolveu a tecnologia justamente para facilitar a vida dos operadores no chão de fábrica. A companhia prefere o contato pessoal com seus clientes, por esta razão as máquinas não possuem sistema de acesso remoto”, concluiu.

 

Uma demonstração do funcionamento de um modelo de máquina fabricada na sede japonesa (FMS2000), a qual serviu de base para o desenvolvimento da versão produzida no Brasil, pode ser vista no vídeo a seguir.

 

 

 

 

Entre outras características da linha produzida em Santa Catarina, o volume de ar requerido varia de 0,3 a 1,0 m3/min, ao passo que o volume de sucção de ar é de 4,0 a 12,0. Além disso, as máquinas contam com sistema de segurança que consiste na interrupção de seu funcionamento caso ocorram falhas como, por exemplo, falta de ar comprimido ou anomalia na operação do software.

 

Mais informações podem ser obtidas aqui e também em nossos guias, nos quais estão listados dados sobre o mercado de equipamentos para processamento de plásticos, entre outros produtos relacionados a esta área.

 

 

Foto: Satake


 

Conteúdo relacionado

Parceria interestadual pelo desenvolvimento da indústria

Digitalizadores ópticos 3D fornecidos no Brasil


 

#Satake #MáquinadeTriagemdeGrânulos #Reciclagem #Plásticos #Plastic



Mais Notícias PI



Equipamento usa microssondas para inspecionar tubos plásticos

Escâner 3D faz medição sem contato e pode detectar trincas ou porosidade em superfícies internas e externas de tubos.

08/10/2021


Robôs para injetoras chegam ao Brasil

Empresa passou a comercializar autômatos auxiliares indicados para processos de injeção de plásticos.

05/10/2021


Cada caso, uma garra

Especialista do segmento de robótica fez recomendações quanto à especificação do tipo de garra mais adequada à manipulação de peças plásticas em sistemas automatizados.

05/10/2021