Pesquisadoras da Faculdade de Engenharia Química (FEQ) e da Engenharia de Alimentos (FEA), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), desenvolveram um plástico biodegradável e comestível composto por amido e gelatina.

 

O desenvolvimento ocorreu durante o doutorado da pesquisadora Farayde Matta Fakhouri, que foi orientada pelas professoras Lucia Helena Inoocentini Mei (FEQ) e Fernanda Paula Collares Queiroz (FEA). O biopolímero é obtido pelo processo de extrusão, em que o amido e gelatina são inseridos em uma máquina e submetidos à alta pressão, sem adição de qualquer solvente. Em seguida, o material passa por processo de transformação para torná-lo um filme.

 

Até chegar à consistência correta que proporcionasse a produção de um filme foram testados diversos amidos (naturais e modificados) com diferentes proporções de gelatina. Segundo Farayde, “os testes foram essenciais para que conseguíssemos chegar a uma formulação possível de ser soprada sem nenhum aditivo ou outro tipo de composto”. A pesquisadora explicou ainda que a quantidade de gelatina pode contribuir tanto para um produto mais flexível, quanto para um mais rígido.

 

A versatilidade do material permitiria sua aplicação em setores industriais como de cosméticos, produtos de higiene, remédios, brinquedos e produtos descartáveis, principalmente em embalagens (primárias ou secundárias), que geralmente são compostas por polímeros sintéticos. De acordo com comunicado publicado pela agência de inovação da universidade, a inexistência até então de um produto baseado em material comestível e atóxico levou a pesquisadora a buscar o desenvolvimento de um processo que tornasse essa alternativa viável. Os resultados levaram a Unicamp à requisição da patente do produto junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

 

(Fotos por Pedro Amatuzzi. Fonte: Unicamp).

#bioplastico #plasticounicamp #plasticocomestivel

 

Conteúdo relacionado

 

Incentivo ao desenvolvimento de embalagens

Biopolímeros e ciência de materiais poliméricos em literatura

 



Mais Notícias PI



Polímeros biodegradáveis e de base biológica em aplicações de uso único

A Milliken se uniu à GO!PHA para impulsionar a adoção de PHA, polímero biodegradável de base biológica, em embalagens de uso único.

21/01/2022


Lançamento para o ramo do plástico inclui plataforma digital e serviços

Empresa divulgou pacote de recursos digitais para conectividade no chão de fábrica a ser comercializado no Brasil.

21/01/2022


Uma rede de produção para a impressão 3D

A EOS passou a gerir sua própria rede de parceiros em manufatura aditiva, que conecta empresas de diversos portes para produzir peças impressas em 3D em larga escala.

20/01/2022