Hellen Souza, da redação

 

O combate ao furto das grelhas que tampam os bueiros na Cidade de São Paulo recebeu recentemente um novo aliado: o polietileno (PE) rotomoldado. O material está sendo usado em substituição ao ferro fundido na fabricação desses itens bastante cobiçados por ladrões e negociados de forma clandestina em estabelecimentos que comercializam sucata metálica.

 

Combater este crime é um dos desafios de zeladoria da cidade, e levou a Secretaria Municipal das Subprefeituras (SMSUB) a substituir as grelhas de metal por itens similares fabricadas em PE rotomoldado, igualmente eficientes no que se refere à drenagem e ao bloqueio à passagem de lixo para as galerias pluviais. Projetadas para suportar cargas de até 8 toneladas sem sofrer deformações, as grelhas rotomoldadas apresentam alongamento de 1.000% até a ruptura (ASTM B638) e são isentas de tensões internas, fenômeno típico dos itens maciços fabricados por injeção.

 

Sistema antifurto e controle de custos

 

As novas grelhas de plástico são fornecidas à Prefeitura de São Paulo em um kit para instalação (foto ao lado) contendo, além da grelha, quatro chumbadores mecânicos (parabolts), arruela porca e a porca antifurto. Uma trava de segurança na parte inferior da grelha é fixada no chão, geralmente aplicada no cimento fresco. Na parte superior, por onde a equipe de zeladoria tem acesso para executar a manutenção, cada parabolt recebe duas porcas, sendo uma tradicional e a outra no mesmo material das grelhas antifurto. Só é possível removê-la com a chave especialmente desenvolvida para este fim.

 

Para evitar custos extras para a Prefeitura, o Departamento de Zeladoria Urbana (DZU), programou a substituição de forma progressiva. Cerca de 1.800 grelhas já foram substituídas, todas para reposição das anteriores que haviam sido furtadas. A substituição não onera significativamente os cofres públicos, sobretudo se considerados os benefícios que representa ao evitar a ocorrência dos furtos, que também têm sido combatidos por meio de fiscalização junto aos ferros-velhos, executada pelas 32 subprefeituras da cidade. Em alguns bairros, as grelhas de ferro eram trocadas semanalmente devido aos furtos.

 

Enquanto as grelhas de metal custam, em média, R $500, as de PE saem por R $520. A troca das grelhas tem sido feita por equipes da Zeladoria Urbana (foto ao lado), sem a necessidade de contratação de terceiros, o que também representa economia.

 

De acordo com a SMSUB, ainda não é possível mensurar a vida útil das grelhas de plástico em uso, mas a primeira delas, implantada para teste há mais de quatro anos, ainda está em perfeito estado.


 

Fotos: SMSUB/PMSP




 

Leia também:

 

Silo-bolsas de PA têm alta resistência à perfuração e ao rasgamento

 

Termoplástico obtido a partir de resíduos mistos é usado em produtos para pets na Colômbia


 

#grelhasplásticas

#SMSUB

#PMSP


 



Mais Notícias PI



Quadro de bicicleta de plástico reciclado é lançado na Alemanha

A Igus e a Advanced Bikes desenvolveram um quadro de bicicleta fabricado por injeção. Ele é feito em uma peça única, sem soldas, e é composto por plásticos de alto desempenho reciclados e fibras de carbono.

16/07/2024


Carrinhos de supermercado são fabricados com plástico reciclado

O Grupo Plascar vai lançar carrinhos para supermercado da marca Siris feitos com plástico reciclado.

06/05/2024


Escadas de EPS são divulgadas por especialista em construção

O construtor Vander de Paula deu exemplos de como o poliestireno expandido (EPS) pode ser aplicado na construção de escadas.

30/04/2024