Nos processos industriais espera-se que as peças produzidas, tanto por manufatura aditiva quanto por métodos subtrativos, sejam menores do que o maquinário que as produziu. Isso se deve à limitação da área de trabalho, como acontece com as impressoras 3D, por exemplo. Por esse motivo, peças grandes tendem a ser unidas por sistemas mecânicos, de soldagem ou adesivos.

 

Porém, um grupo do departamento de nanoengenharia da UC San Diego publicou um artigo na ACS (American Chemical Society) intitulado “A highly expandable foam for lithographic 3d printing”, o qual descreve o desenvolvimento de uma resina de pré-polímero expansível para o processo de estereolitografia (SLA) que é ativada por calor após o processo de impressão. A resina é utilizada normalmente para a impressão da peça e, após sua cura por UV, recebe um aporte de calor que permite sua expansão tridimensional em até 40 vezes, se comparada ao seu volume original. É possível visualizar a expansão no vídeo a seguir:

 

Expandable Foam Supersizes 3D-Printed Objects - Headline Science (American Chemical Society, 2020)

 

 

No início do estudo, a equipe buscou um monômero que pudesse ser curado por UV rapidamente e que apresentasse boas propriedades mecânicas. Optou então pelo metacrilato de 2-hidroxietil (chamado por HEMA) e decidiu encontrar a concentração ideal de fotoiniciador e de um agente de expansão apropriado. Após diversos testes, os pesquisadores tiveram sucesso com um agente não tradicional, normalmente usado em polímeros semelhantes ao poliestireno (PS). A mistura desses componentes foi utilizada para formular a resina fotopolimérica final.

 

Os modelos impressos com a nova resina foram submetidos a aquecimento controlado a 200 °C por até dez minutos. Segundo o resumo do estudo, publicado pela ACS, o calor decompõe o agente de expansão, o que desencadeia a “espumação” da resina, expandindo o tamanho dos modelos. A variação dimensional entre pré e pós-expansão foi de até 4.000%.

 

De acordo como os autores, essa tecnologia poderia ser empregada em aplicações que demandam geometrias complexas compostas por espumas porosas como na arquitetura, na engenharia aeroespacial, no setor de energia e biomedicina.

(Foto: American Chemical Society )

 

Conteúdo relacionado

Impressão 3D multimaterial em alta velocidade

Impressão de hastes para coleta de amostras

 

#plastic #impressao3ddeespumas #americanchemicalsociety



Mais Notícias PI



Uma rede de produção para a impressão 3D

A EOS passou a gerir sua própria rede de parceiros em manufatura aditiva, que conecta empresas de diversos portes para produzir peças impressas em 3D em larga escala.

20/01/2022


Serviços de análise de fluidos para processos no ramo do plástico

Empresa oferece ensaios de lubrificantes e monitoramento de sistemas hidráulicos do chão de fábrica.

14/01/2022


Manufatura aditiva e resina reciclada: as tendências no segmento de sopro

Pesquisa no ramo de transformação de plásticos por sopro apontou que mais de 70% das empresas usam manufatura aditiva (impressão 3D) para complementar seus processos produtivos, e mais de 60% utilizam resinas recicladas para fabricar seus produtos.

06/12/2021