O desenvolvimento de materiais amigáveis ao meio ambiente está no radar do ramo de plásticos há muito tempo. Um dos campos de aplicação é a criação de produtos descartáveis que apresentem degradação rápida e menos nociva possível. 

A cadeia produtiva dos plásticos passou a ser uma forte aliada de órgãos governamentais e da área da saúde na execução de campanhas de combate à disseminação da Covid-19, em situações como o fornecimento de recipientes, talheres e embalagens de uso único para a população, em detrimento de suas versões reutilizáveis, as quais podem proporcionar condições para a sobrevivência do novo vírus.

 

Startup desenvolve resina biodegradável no Brasil

 

A Biopolix, startup parceira do Parque de Inovação e Tecnologia de Ribeirão Preto (Supera), desenvolveu uma resina biodegradável cuja formulação consiste em biopolímeros bacterianos e materiais orgânicos, isenta de solventes e/ou substâncias tóxicas similares. Ela é indicada para a fabricação de artigos descartáveis, podendo ser aplicada como matriz polimérica ou componente auxiliar em blendas. De acordo com informações da empresa, a obtenção dos grades a partir de biopolímeros bacterianos leva cerca de dez dias, e a decomposição total de produtos feitos a partir deles pode ocorrer em aproximadamente 180 dias.

Segundo a fundadora da startup, Luisa Vendruscolo, a resina estará disponível para comercialização nos próximos meses e o Instituto Senai de Inovação em Engenharia de Polímeros também participou do seu projeto. “A população se beneficiará com a chegada de um biomaterial totalmente biodegradável, sem necessidade de condições específicas para o seu descarte. Por ser formado por biopolímeros, sua decomposição no meio ambiente não é poluente”, concluiu.

 

 

A patente de desenvolvimento dos polímeros biodegradáveis foi concedida pelo Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI).

 

Foto: Biopolix

 

Conteúdo relacionado:

 

Reciclagem de materiais complexos, um desafio a ser vencido com pesquisa

Resinas recicladas

 

 

#Resinabiodegradavelparafabricacaodedescartaveis #Startup #Plásticos #Covid-19



Mais Notícias PI



Máquinas de autoatendimento incentivam a reciclagem de embalagens

Mais dez unidades da chamada Retorna Machine são instaladas em pontos da cidade de São Paulo, pela Ambev e Triciclo-Ambipar, que incentiva a troca de embalagens pós-consumo por serviços e créditos.

19/01/2022


Sachês pós-consumo transformados em itens esportivos

Projeto que integra a Boomera e a marca Nescau resultou na reciclagem de resina pós-consumo, proveniente de embalagens flexíveis, em itens esportivos, os quais foram doados a organização beneficente.

14/01/2022


Empresa supera sua meta de uso de material reciclado

A SC Johnson superou sua meta de uso de 15% de plástico reciclado em suas embalagens quatro anos antes do previsto e, agora, quase dobra a aposta para usar 25% até 2025.

12/01/2022