A Piovan do Brasil, com sede em Osasco (SP), anunciou ter assumido a representação comercial para a América do Sul da norte-americana Bunting Magnetics, especializada no desenvolvimento de equipamentos magnéticos para uso em diferentes segmentos industriais, incluindo a indústria de transformação e a reciclagem de plásticos.

 

Entre os equipamentos que estarão disponíveis para o mercado brasileiro estão sistemas de separação magnética, detecção de metais e sistemas de movimentação de materiais.

Separador magnético da Bunting/Piovan

Os equipamentos voltados para o setor de reciclagem (foto) removem contaminantes metálicos do fluxo de materiais, e os detectores alertam os operadores para o perigo da presença dos metais ferrosos e não ferrosos dentro do fluxo de produto, removendo ou rejeitando esses contaminantes.

 

Os sistemas empregam ímãs potentes para retirar os contaminantes, garantindo que não entrem novamente no fluxo de material. A força do campo magnético assegura que o fluxo contínuo de material, mesmo movimentado rapidamente, não destaque o material ferroso de onde ele foi inicialmente preso.

 

Foto: Bunting Magnetics

 

Conteúdo relacionado:

Evento online sobre reciclagem acontece em novembro

Soluções digitais na logística reversa de eletrônicos


#BuntingMagnetics   #Piovan #separaçãodemetais


 



Mais Notícias PI



Máquinas de autoatendimento incentivam a reciclagem de embalagens

Mais dez unidades da chamada Retorna Machine são instaladas em pontos da cidade de São Paulo, pela Ambev e Triciclo-Ambipar, que incentiva a troca de embalagens pós-consumo por serviços e créditos.

19/01/2022


Sachês pós-consumo transformados em itens esportivos

Projeto que integra a Boomera e a marca Nescau resultou na reciclagem de resina pós-consumo, proveniente de embalagens flexíveis, em itens esportivos, os quais foram doados a organização beneficente.

14/01/2022


Empresa supera sua meta de uso de material reciclado

A SC Johnson superou sua meta de uso de 15% de plástico reciclado em suas embalagens quatro anos antes do previsto e, agora, quase dobra a aposta para usar 25% até 2025.

12/01/2022