A Earth Renewable Technologies (ERT), de origem norte-americana, inaugura nesta quinta-feira, dia 12, em Curitiba (PR), sua planta industrial voltada para a produção de compostos com base em bioplásticos do tipo PLA (ácido poliláctico), biodegradáveis.

 

A empresa vinha importando e fornecendo no mercado brasileiro, desde setembro do ano passado, os compostos SFRP (short fiber reinforced polymer, ou polímero reforçado com fibras curtas), que utilizam PLA em sua matriz e se destinam a aplicações rígidas (ao lado), além de formulações para embalagens sopradas (abaixo). Com a inauguração da nova unidade, passará a formular no Brasil diferentes tipos de compostos à base de PLA com modificação por meio de aditivos, o que aumentará a variedade de aplicações a que eles podem ser destinados. Entre elas estão as embalagens flexíveis, que são críticas do ponto de vista da reciclagem devido à dificuldade de descontaminação. “A aditivação modifica a performance do PLA sem comprometer a sua compostabilidade, o que significa hoje um aumento de valor agregado de produtos de diversos brand owners”, informou Kim Fabri, CEO da ERT.

A nova unidade operará com uma capacidade instalada de 2 mil toneladas anuais, até o final deste ano. No médio prazo, em 2025, deve ser aumentada para 35 mil toneladas/ano.


 

Pesquisa para uso de resíduo agrícola

 

A ERT iniciou há dois anos, junto com a Universidade Federal do Paraná (UFPR), uma pesquisa voltada para o desenvolvimento de polímeros a partir do bagaço da cana-de-açúcar, uma iniciativa pioneira, que emprega resíduo agrícola (amido secundário) na obtenção do PLA, enquanto os processos criados até hoje empregam amido primário, proveniente de alimentos como milho, mandioca ou ervilha.

Esta tem sido uma questão sensível quando se trata dos bioplásticos. Afinal, estariam sendo usados alimentos na produção de plásticos, enquanto boa parcela da população mundial ainda vive em situação de subalimentação. No entanto, Kim ressalta que o percentual de terra arável destinada à produção de bioplásticos atualmente é de 3%, o que representa um impacto pouco significativo na disponibilidade de alimentos.

 

O trabalho conjunto com a UFPR, que deve ser concluído em 2025, resolverá também esta questão, pois permitirá o uso de um resíduo da produção agrícola, sem destinação possível para o mercado de alimentos. Para processá-lo, será necessária uma outra unidade produtiva, em local a ser definido, no interior do Estado do Paraná.


 

Fotos (ERT): Aplicações dos compostos biodegradáveis da ERT.


 

Conteúdo relacionado:

Empresa brasileira passa a produzir plásticos biodegradáveis e compostáveis

Acordo trará mais plásticos biodegradáveis ao Brasil

 

#bioplásticos #ERT #plásticobiodegradável



Mais Notícias PI



Filamento de PHA para impressão 3D

Empresa holandesa adiciona ao seu portfólio uma linha de filamentos feitos de poli(hidroxialcanoato) (PHA), um biopolímero com boa resistência térmica e possibilidade de biodegradação.

27/04/2022


Cartão bancário feito de plástico biodegradável

Banco digital lançou no Brasil o C6 Acqua, sua nova versão de cartão de crédito feito com PLA, plástico de origem renovável e biodegradável.

25/04/2022


Ampliação da capacidade produtiva de bioplásticos no Brasil

A ERT pretende expandir, em dez vezes, a capacidade de produção de bioplásticos de sua unidade fabril em Curitiba, para mais de 3 mil toneladas em 2022 e prevê faturamento de R$ 100 milhões.

19/04/2022