O Instituto Mackenzie de Pesquisas em Grafeno e Nanotecnologias (MackGraphe) divulgou seu acordo de colaboração com a Bluefields Aceleradora. A parceria consiste no interesse mútuo em fomentar aplicações de grafeno na indústria brasileira, especialmente recorrendo a startups e programas de inovação com o intuito de impulsionar o ecossistema, ainda em fase inicial no Brasil, para promover o uso da nanotecnologia em suas diversas aplicações no mercado.

 

A aceleradora já está instalada no prédio de pesquisa e inovação do instituto. Juntos, estão em busca de parceiros para projetos como o Acelera Nano (programa de inovação e aceleração de graphene-based startups) e projetos de inovação aberta no modelo tríplice-hélice (iniciativa que une governo, empresas e universidade) que visam criar startups a partir da estratégia das empresas parceiras e demandas do mercado, que resolvam desafios de negócio e sustentabilidade utilizando o grafeno.

 

O grafeno é um material formado por átomos de carbono, reconhecido por seu grande potencial tecnológico em diferentes áreas. De acordo com o The Graphene Council, esse nanomaterial possui aplicações em mais de quarenta nichos de mercado, incluindo as indústrias automobilística, eletrônica, aeroespacial, esportiva, de defesa e construção. Outro benefício é que o grafeno amplia o número de vezes que os materiais plásticos podem ser reciclados. Grandes empresas voltadas para a manufatura de produtos aeroespaciais, automobilísticos, eletrônicos, de telecomunicações, energia, químico e plásticos têm usado esse nanomaterial como insumo ou comercializam produtos contendo grafeno. Conforme as aplicações se desenvolvem em diferentes segmentos de mercado, a oferta desse material ganha incentivo e viabilidade econômica.

 

Roberto Tsukino, gerente de inovação e vice-presidente da Bluefields Aceleradora, comentou que “estamos muito animados por acelerar a inovação com a tecnologia do grafeno, um assunto que agora podemos avançar da pesquisa para a prática por meio das startups”. Para o presidente do Instituto Presbiteriano Mackenzie, José Inácio Ramos, este é um momento importante para a instituição, “Projetos de pesquisa e inovação desenvolvidos por nossos alunos podem avançar mais um degrau na escala de maturidade tecnológica, com a expertise da Bluefields, inclusive na busca de investidores e grandes empresas. O Mackenzie quer contribuir cada vez mais neste momento ímpar do grafeno, por meio da convergência entre academia, grandes empresas e startups, possibilitando dessa forma que essas iniciativas saiam do ambiente universitário e ganhem o País e o mundo”.

Saiba mais sobre a rede de pesquisa em grafeno no Brasil assistindo ao webinar PI “Grafeno: usos para um material avançado na indústria de plásticos”.

 

Conteúdo relacionado:

Grafeno: um material à espera de parcerias

Acordo traça estratégia para a indústria de grafeno no Brasil

Grafeno em larga escala: um novo ativo para o desenvolvimento da indústria


 

<Foto: Pixabay>

#mackgraphe #grafeno #plasticocomgrafeno #nanotecnologia



Mais Notícias PI



Menos produtos descontinuados na indústria

Associação Brasileira de Automação (GS1 Brasil) apurou uma menor taxa de “descontinuação” de linhas de produtos na indústria, um sinal de recuperação das atividades.

26/05/2022


Impressora 3D é divulgada em feira

Equipamento conta com câmara ativamente aquecida e pode processar materiais como PA e PC.

24/05/2022


Mais aproveitamento na reciclagem de fios e cabos 

Empresa do ABC paulista desenvolveu maquinário que separa o material polimérico dos metais presentes em fios e cabos, garantindo, em alguns casos, 99,9% de pureza para o cobre obtido.

26/05/2022