Entrou em operação este mês o Centro de Pesquisa em Engenharia para a Mobilidade Aérea do Futuro (CPE-MAF), uma iniciativa do Instituto de Tecnologia Aeronáutica (ITA), de São José dos Campos (SP).

 

Entre os objetivos do novo centro de pesquisa estão auxiliar a indústria aeronáutica brasileira a enfrentar desafios como atingir a neutralidade das emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2050, além da capacitação para o desenvolvimento de aeronaves civis e militares aptas a voar de forma autônoma e com tripulação reduzida. Inovações em materiais e processos deverão surgir desse empreendimento.

 

Constituído pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e a Embraer, o centro contará com investimento total de R$ 48 milhões ao longo dos próximos cinco anos e reunirá mais de 120 pesquisadores, com forte atuação de engenheiros da empresa. Serão desenvolvidos estudos sobre tópicos inovadores e com potencial para contribuir com a competitividade da indústria aeronáutica nacional.

 

Além do ITA, o CPE-MAF terá a participação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC-USP), esta última em processo de adesão à iniciativa.

O CPE-MAF será um dos Centros de Pesquisa em Engenharia (CPEs) constituídos pela FAPESP em parceria com empresas e sediados em diferentes instituições de pesquisa do Estado de São Paulo. Lançado em 2012, o programa CPE torna possível a colaboração entre a iniciativa privada e o setor acadêmico, visando produzir e disseminar pesquisa de nível mundial com alto impacto econômico e social por meio da inovação.


Linhas de pesquisa

 

As pesquisas do CPE-MAF serão orientadas a três áreas prioritárias e de interesse da Embraer: aviação de baixo carbono, sistemas autônomos e manufatura avançada. Algumas das linhas de pesquisa em redução de emissões, por exemplo, serão o controle de máquinas para a propulsão elétrica e a integração aeropropulsiva de aeronaves elétricas.

 

Outras linhas de pesquisa envolvem o desenvolvimento de métodos de tomada de decisão em sistemas autônomos, projeto avançado para a manufatura aditiva metálica e a montagem final de aeronaves usando robótica colaborativa.

 

Além da pesquisa científica, outros objetivos do centro serão promover a transferência tecnológica para empresas existentes e outras empresas a serem criadas, bem como a educação e a disseminação do conhecimento para estudantes do ensino superior e médio.


 

Foto: Fapesp

 

 

Leia também:

 

Novo aço para ferramentas de conformação impressas em 3D


Ligas metálicas de alta resistência impressas em 3D


 


 

#ITA


 

 



Mais Notícias CCM



Analisador portátil identifica ligas metálicas instantaneamente

Novos modelos de analisadores portáteis permitem a identificação de elementos de liga em metais de forma rápida e com recursos de conectividade.

15/07/2024


Conformação rotativa pode tornar viáveis as células a combustível

O Instituto Fraunhofer de Máquinas-Ferramenta e Tecnologia de Conformação (IWU) anunciou o desenvolvimento de um sistema rotativo para estampagem das finíssimas chapas metálicas usadas na montagem de placas bipolares que compõem as células a combustível. A novidade poderá reduzir os custos de produção dessas células, com impacto no mercado da mobilidade elétrica, tendo em vista que elas substituem as baterias.

15/07/2024


BMW inaugura estamparia de última geração para produzir carros elétricos

Estamparia com equipamentos de última geração foi inaugurada na unidade norte-americana da montadora alemã, criando mais de 200 novos empregos em áreas técnicas e operacionais.

01/07/2024