O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro teve alta de 5,35% no primeiro trimestre de 2021, de acordo com cálculos do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Escola superior de Agricultura Luiz de Queiroz(Esalq/USP), em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

O novo salto acontece após crescimento recorde registrado em 2020, que foi de 24,31% frente a 2019, transformando o campo em um grande celeiro de negócios para o setor de metalmecânica, fornecedor direto dos fabricantes de máquinas e implementos agrícolas.colheita de soja no Mato Grosso do Sul implementos agrícolas

Os bons resultados se refletem no desempenho de toda a cadeia de produção dos bens de capital necessários às atividades no campo, como comentou João Visetti, CEO da subsidiária brasileira da TRUMPF, fabricante de máquinas e soluções de produção nos setores de máquinas-ferramenta e laser.

A empresa tem trabalhado com a perspectiva de um cenário positivo até o final deste ano, boa parte dele devido ao bom desempenho do agronegócio.

Para Visetti, fatores conjunturais como a necessidade de aumento da frota de colheitadeiras, têm trazido vigor à demanda por maquinário. E isso se deve tanto à obsolescência do parque de máquinas quanto à profissionalização das atividades no campo. Uma consequência disso é a necessidade de equiparar o número de colheitadeiras por hectare plantado do Brasil com o índice registrado por países produtores que são seus competidores diretos, tais como Estados Unidos, Argentina, Rússia e Canadá.

 

Tirar o atraso em relação à concorrência e equipar os produtores para que eles obtenham melhores resultados em seus negócios tem sido o principal motor do desenvolvimento da indústria de bens de capital para o setor. “O produtor precisa ter máquinas com disponibilidade, para realizar a colheita da hora certa, e por isso não pode depender do aluguel de equipamentos, por exemplo, sob risco de perder a janela otimizada da colheita, que pode mudar de um dia para outro”, avaliou o executivo.


 

Estocagem, a segunda onda de oportunidades

 

Uma segunda onda de bons negócios para o setor metalmecânico deve ocorrer devido à necessidade de armazenamento dos grãos, que demandará mais silos metálicos, construídos basicamente por processos de corte, dobramento e soldagem de metais.

De acordo com Visetti, em mercados como Estados Unidos e Rússia, por exemplo, o produtor armazena sua produção já na fazenda, assegurando boas condições de estocagem dos grãos para comercializá-los na entressafra, período favorável à obtenção de melhores preços, o que aumenta a rentabilidade do negócio. Aos poucos uma estratégia parecida tende a ser adotada por aqui, o que certamente elevará a procura por silos com grande capacidade de armazenagem, movimentando setores como os de prestação de serviços de caldeiraria, estampagem e corte e dobra.

“Toda a cadeia de fornecimento de implementos agrícolas, de caminhões e implementos rodoviários e os prestadores de serviço que orbitam nesse mercado estão em modo comprador para as nossas máquinas e soluções”, afirmou.

A escalada do mercado ligado ao agronegócio provavelmente compensará as perdas decorrentes do delicado momento pelo qual passa o setor automobilístico. Normalmente importante para os negócios de fabricantes de máquinas, ele tem perdido protagonismo devido a problemas de abastecimento. “As montadoras estão paradas, devido à falta de chips no mercado mundial. Isso afeta toda a cadeia produtiva, incluindo os fornecedores de peças, com os quais trabalhamos, especialmente com nossas soluções de solda a laser e hotforming ”, comentou o executivo.




 

Foto (Alf Ribeiro/Shuttterstock): Colheita de soja no Mato Grosso do Sul. Disponibilidade de máquinas é fundamental para a produtividade no campo 

 

 

Conteúdo relacionado:

Alta da produção de veículos pesados, um bom sinal para o ramo de metais

Pesquisa aponta crescimento do ramo de estruturas metálicas

 

#corte a laser   #agronegócio

 



Mais Notícias CCM



Nova unidade da Igus vai promover a automação de baixo custo

Um centro de automação foi inaugurado pela empresa alemã em Joinville (SC) para promover a disseminação do uso de sistemas robóticos em tarefas industriais.

11/07/2024


Lecar não vai mais produzir automóveis elétricos. Agora, só híbridos.

Empresa brasileira vai redirecionar esforços antes dedicados à fabricação de carros elétricos para o desenvolvimento de veículos híbridos flex, com sistema de tração elétrico.

01/07/2024


BMW inaugura estamparia de última geração para produzir carros elétricos

Estamparia com equipamentos de última geração foi inaugurada na unidade norte-americana da montadora alemã, criando mais de 200 novos empregos em áreas técnicas e operacionais.

01/07/2024