Talvez seja cedo para afirmar que o setor de máquinas e bens de capital está em franca recuperação, mas a compilação de alguns dados conjunturais do mês de julho, divulgada pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) já permite enxergar luz no fim do túnel.

De acordo com informações divulgadas à imprensa, a pior fase da pandemia já passou e o segundo semestre será marcado pela retomada da confiança do empresariado.

Embora as receitas de exportação tenham apresentado forte queda pelo quinto mês consecutivo, as vendas internas de maquinário no mês de julho cresceram 29,7% em relação ao mesmo período do ano passado, mitigando resultados negativos como a queda de receitas internas de 1,9% entre janeiro e julho.

Em relação ao mês imediatamente anterior, o destaque nas vendas externas ficou com os componentes para a indústria de bens de capital, que registraram aumento de 60,3%.

As importações de máquinas também apresentaram incremento, com destaque para os equipamentos vindos dos Estados Unidos, com crescimento de 50,3%, e da Alemanha, com aumento de 14%, enquanto as importações provenientes da China recuaram 4,5% no acumulado do ano, Isso, porém, não impediu que este país mantivesse o segundo lugar como origem do maquinário importado pelo Brasil (veja o gráfico abaixo).

Considerando os resultados positivos do início do ano, as importações em geral acumularam alta de 2,4% entre janeiro e julho de 2020, em relação ao mesmo período do ano passado.

Outro indicador positivo computado no levantamento foi o nível de utilização da capacidade instalada (NUCI) dessa indústria, que retornou à média de 74%, ou seja, o mesmo patamar do início do ano, período pré-pandemia.


 

Retomada alemã

Dados divulgados pela VDMA, instituição alemã equivalente à Abimaq, refletem uma tendência semelhante. Ulrich Reifenhäuser, presidente da Associação de Fabricantes de Máquinas para Plásticos e Borracha da VDMA, informou que “está sendo observado que muitas máquinas de plástico e borracha estão sendo fornecidas para os setores de tecnologia médica e embalagens, em particular neste momento de crise associada à Covid-19” .

As questões de higiene que vieram à tona com a pandemia favoreceram esse desempenho. Nos primeiros cinco meses deste ano, as exportações alemãs de plásticos e maquinários de borracha ficaram 19% abaixo das do ano anterior. As entregas diminuíram na China e nos EUA em 3% cada devido à corona, mas já há sinais positivos no mercado chinês.

Os países europeus mais afetados pela pandemia reduziram a compra de maquinário alemão. As entregas para Itália caíram 31%, França 42% e Espanha 48%. Porém, outros mercados registraram aumento acima da média nos primeiros cinco meses de 2020 em comparação com o mesmo período do ano passado. São eles a Rússia, que comprou 28% mais máquinas, e a Turquia, que registrou aumento de 102% nas encomendas.

 

Futuro é desafiador, mas oferece oportunidades

Dados da VDMA apontam que quase 80% dos fabricantes de máquinas para plástico e borracha esperam um retorno ao nível de vendas de 2019 até 2022, no mais tardar. Muitos, porém, vêm isso acontecendo já no próximo ano. Para o segundo semestre de 2020, muitos já esperam o ressurgimento de pedidos das regiões da Europa Ocidental e da China. Esses já são os primeiros sinais de uma retomada.

Além disso, as fabricantes de maquinário continuarão a desempenhar sua parte na implementação de uma economia de reciclagem bem-sucedida. A força inovadora do setor continuará a significar uma oportunidade forte de tirar essas empresas de engenharia mecânica da crise.

 

Mercado norte-americano em ascensão

De acordo com dados do Comitê de Estatísticas de Equipamentos (CES) da Associação de Indústrias de Plásticos (Plastics Industry Association, ou Plastics), dos Estados Unidos, as remessas de máquinas no segundo trimestre (injetoras e extrusoras) aumentaram no País. A estimativa preliminar do valor das vendas totalizou US $ 263,4 milhões, um aumento de 4,0% em relação ao primeiro trimestre de 2020, quando haviam diminuído 19,8% em relação ao trimestre anterior. No entanto, no primeiro trimestre deste ano houve queda de 10,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

O valor dos embarques de extrusoras de rosca simples e dupla caíram 35,8% e 30,1%, respectivamente, no segundo trimestre. Os embarques de equipamentos de moldagem por injeção aumentaram 11,4% em relação ao primeiro trimestre, mas caíram 8,5% em relação ao segundo trimestre do ano passado.

“O aumento observado no segundo trimestre é consistente com a melhora gradual na economia dos EUA ”, declarou o economista-chefe da Plastics, Perc Pineda.

O comitê também realiza uma pesquisa trimestral com fornecedores de máquinas para plásticos, perguntando sobre as condições atuais do mercado e as suas expectativas: 40% dos entrevistados esperam que as condições melhorem ou se mantenham estáveis ​​no terceiro trimestre - mais do que os 18,5% que declararam o mesmo no primeiro trimestre.

Quanto aos próximos 12 meses, 24,0% dos entrevistados esperam que as condições de mercado sejam estáveis ​​ou melhores, um pouco acima dos 22,6% que declararam o mesmo na pesquisa trimestral anterior.

"Os fornecedores e conversores de equipamentos de plástico que atendem a mercados finais de consumo essenciais têm um motivo para estar otimistas, pois as condições econômicas continuam a melhorar", afirmou Pineda.

 

 

 

Encontre fornecedores de máquinas para processar plásticos nos guias PI.

 

Conteúdo relacionado:

Vendas de equipamentos em alta

Fabricante de injetoras tem bom desempenho durante a crise


 

#maquinaseequipamentos #Abimaq   #VDMA





Mais Notícias PI



Estudo analisa o impacto da Covid-19 sobre o balanço das empresas

Levantamento realizado pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) junto a 240 empresas de capital aberto mostra as consequências da pandemia de Covid-19 sobre o seu desempenho e recuperação da rentabilidade.

20/10/2020


Sensores sem bateria, a transição sustentável para a fábrica do futuro

Prevendo o aumento exponencial de dispositivos industriais de internet das coisas (IoT), empresa desenvolve sensores que funcionam ininterruptamente e sem baterias.

20/10/2020


Acordo para distribuição de resinas fotocuráveis

Empresa brasileira adquire direito exclusivo de distribuição das resinas fotocuráveis da marca Ultracur3D.

20/10/2020