O uso de eletrônicos flexíveis vem aumentando nos últimos anos, principalmente em setores como o automobilístico, de eletroeletrônicos e dispositivos móveis. Um estudo realizado por cientistas brasileiros e italianos contribuiu para a produção de eletrônicos leves e flexíveis a partir do melhoramento das propriedades do politiofeno (PT).

 

Por possuir baixa densidade, flexibilidade e facilidade de processamento, o PT é um material atraente para esse tipo de aplicação. Marília Junqueira Caldas, professora titular no Instituto de Física da Universidade de São Paulo (IFUSP) e membro da equipe, explica que a configuração do politiofeno, se processado no modo mais comum por gotejamento e rotação (spin casting), é bastante desordenada, comprometendo seu desempenho óptico e eletrônico. No trabalho em questão, a proposta foi ordenar o poli(3-hexiltiofeno) (P3HT), tornando-o muito mais seletivo na emissão e absorção de luz.

 

Esse ordenamento foi obtido por meio da deposição de uma gota do polímero em solução sobre um suporte. À medida que evaporava, uma espécie de grade foi aplicada sobre a gota, fazendo com que passasse a apresentar uma sequência de estrias paralelas. O estriamento ordenou a estrutura interna do material que, segundo ela, passou a absorver e emitir luz de modo muito previsível, possibilitando a emissão estimulada de luz em frequências não disponíveis no filme desordenado.

 

Desse modo, um material intrinsecamente desorganizado foi organizado durante o processo de “crescimento”, tornando-se apto a um amplo conjunto de aplicações optoeletrônicas e viável para direcionar propriedades ópticas por meio do controle estrutural.

 

A nova solução demonstrou ganhos em seletividade e leveza, se comparada a outras com função similar, baseados em superposições de vários tipos de semicondutores. Além disso, o estudo abre a possibilidade do uso de nanoestruturas de politiofeno como blocos de construção de amplificadores ópticos orgânicos e dispositivos fotônicos ativos.

 

O trabalho realizado por A. Portone, L. Ganzer, F. Branchi, R. Ramos, M. J. Caldas, D. Pisignano, E. Molinari, G. Cerullo, L. Persano, D. Prezzi e T. Virgili, obteve apoio da FAPESP por meio do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Eletrônica Orgânica (Ineo) – um dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia apoiados pelo fundo em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) –, e está disponível para leitura em https://go.nature.com/2TIlhjk

 

#politiofeno #pesquisa #plastic #eletronicosflexiveis



Mais Notícias PI



A indústria e a crise energética no Brasil

Uma visão de como os impactos causados pela crise energética podem promover a uma preparação para os próximos desafios.

08/12/2021


PET de origem vegetal na fabricação de garrafas para refrigerantes

Protótipo lançado este mês foi usado no envase do refrigerante da marca europeia Orangina. A comercialização deverá ter início em breve.

07/12/2021


Alta da produção de resinas recicladas nos últimos anos

Mais de um milhão de toneladas de resinas recicladas foram produzidas em 2020 no Brasil, de acordo com levantamento da MaxiQuim. Também foi percebido aumento do consumo de resíduos plásticos entre 2019 e 2020.

07/12/2021