Hellen Souza, da redação

 

A francesa Niryo, uma startup especializada no desenvolvimento de robôs colaborativos compactos, recebeu um financiamento de 6,4 milhões de euros que vai apoiar o crescimento da empresa e da sua proposta de disseminar o uso desse tipo de robô em escala global, em uma estratégia que inclui a chegada da empresa ao mercado brasileiro.

 

Com foco na automatização de tarefas simples e repetitivas, a Niryo criou duas linhas de robôs colaborativos, sendo uma voltada para o segmento educacional e outra para o meio profissional. A ideia de democratizar o acesso aos autômatos no meio educacional surgiu da experiência de seu fundador, Marc-Henri Frouin, quando ainda era estudante de engenharia. Em sua sala de aula havia apenas um robô para 50 alunos, o que impedia a real experiência de operar e atuar na sua programação.

 

A questão o inspirou a transformar o ambiente pedagógico com a democratização do acesso à robótica que resultou nos atuais robôs de seis eixos construídos em alumínio, com programação em código aberto (open source), baseada em Linux (Ubuntu 18.04) e com integração ao sistema Matlab, um software bastante utilizado por engenheiros na criação de modelos matemáticos. Os robôs são fornecidos com um software gratuito, o Niryo Studio, que permite o acesso à programação por Blockly, linguagem da Google baseada em blocos.

 

A construção em código aberto permite a programação dos robôs em qualquer linguagem, dentre elas Phyton e C++, o que permite elevar o nível de programação de acordo com as necessidades do usuário, que pode, por exemplo, registrar trajetórias e tarefas para fins de aprendizagem de máquina (machine learning). Os usuários podem também desenvolver suas próprias interfaces (APIs, de application programming interface), customizando a programação dos robôs.

 

As séries de robôs colaborativos compactos são adaptáveis a diversos ambientes, podendo tanto simular tarefas de instalações fabris em ambiente educacional, quanto automatizar linhas de montagem reais, ou ainda, simular fisicamente o gêmeo digital de linhas industriais, em menor escala, em um contexto típico da indústria 4.0, como pode ser observado no vídeo abaixo, que mostra um processo de aplicação de rótulos:

 

 

Os robôs podem ser fornecidos já com esteira transportadora, sensores infravermelhos e sistemas de visão, compondo uma célula robótica. Na proposta educacional, são organizados em pacotes, conforme o número de estudantes a serem atendidos. A proposta é que haja pelo menos um autômato para cada dois estudantes. O preço inicial do robô é de 4 mil euros, mas o este pode variar conforme o tipo de pacote desejado.

 

O mais recente braço robótico da Niryo, o NED2, é utilizado em diversos países, especialmente no setor de educação, pesquisa e formação. Muitas empresas internacionais também adotaram os cobots Niryo, incluindo a Airbus, a Deutsch Bahn, a Siemens, a Solvay, a Coca-Cola e a Texas Instrument.

 

 

Imagem: Niryo

 

Leia também:

 

Injetoras com IA, um novo passo da Chen-Hsong e da MAP Intelligence

 

Aumenta o uso de tecnologias digitais nas empresas de injeção

 

Senai oferece avaliação gratuita de cibersegurança para a indústria

 

 

#Nyrio

#cobots

#robôscolaborativos

 



Mais Notícias PI



Evento sobre materiais plásticos acontece em SP

Palestras técnicas sobre plásticos de engenharia e compostos termoplásticos serão realizadas na Feiplar & Feipur.

16/07/2024


Embalagens de transporte serão temas de curso on-line

O Instituto de Embalagens está promovendo um treinamento sobre embalagens de transporte, que segue com inscrições abertas.

16/07/2024


Quadro de bicicleta de plástico reciclado é lançado na Alemanha

A Igus e a Advanced Bikes desenvolveram um quadro de bicicleta fabricado por injeção. Ele é feito em uma peça única, sem soldas, e é composto por plásticos de alto desempenho reciclados e fibras de carbono.

16/07/2024