Em fevereiro de 2022, a Braskem – companhia nacional fabricante de matéria-prima para o setor de plásticos – anunciou um investimento de R$ 130 milhões que serão aplicados em três projetos voltados à economia circular: início da construção do Centro de Desenvolvimento de Embalagens Circulares, inauguração de uma fábrica de reciclagem mecânica e o início da construção de uma planta de reciclagem avançada, com tecnologia desenvolvida pela Valoren.

 

O aporte milionário, voltado aos projetos que reforçam o desenvolvimento sustentável, prevê a abertura do Cazoolo, seu Centro de Desenvolvimento de Embalagens para Economia Circular, ainda no primeiro semestre deste ano. De acordo com a empresa, cerca de R$ 20 milhões foram investidos na iniciativa, que irá operar na zona oeste da capital paulista. Trata-se de hub de inovação, por meio do qual a companhia pretende estabelecer parcerias com clientes, brand owners, designers, startups e universidades para o desenvolvimento de embalagens mais sustentáveis por meio de melhorias no design e na jornada das embalagens, desde sua concepção até o pós-consumo, visando à circularidade e ao menor impacto ambiental.

 

O novo centro tem como base os conceitos de design for environment (DfE) e de análise de ciclo de vida (ACV) para o desenvolvimento de embalagens inovadoras e sustentáveis. Equipado com máquinas de prototipagem rápida, o Cazoolo estará aberto a toda a cadeia de embalagens plásticas e terá como objetivo acelerar o avanço da circularidade das embalagens na região, segundo a companhia.

 

Como parte do pacote, cerca de R$ 67 milhões foram investidos na instalação de uma planta de reciclagem mecânica em Indaiatuba (SP), com inauguração prevista para março de 2022. O projeto é fruto da parceria com a Valoren, empresa desenvolvedora de tecnologia e gestora de resíduos para transformação em produtos reciclados que, por meio de sua rede de operação, oferece serviços de gerenciamento de resíduos, reciclagem mecânica e reciclagem química.

 

A expectativa é que, anualmente, 250 milhões de embalagens pós-consumo feitas de polietileno (PE) e polipropileno (PP) sejam transformadas em 14 mil toneladas de resinas com alto índice de qualidade, que por sua vez passarão a ser reutilizadas como matéria-prima na indústria de transformação. A planta já está na fase de comissionamento e pré-operação assistida.

 

De acordo com informativo distribuído à imprensa, outra frente do financiamento, que complementa essa lista de ações da Braskem, é seu envolvimento na construção e instalação de uma unidade de reciclagem química – por vezes chamada de reciclagem avançada – também em Indaiatuba (SP), mais uma vez em parceria com a Valoren.

 

Essa nova unidade, a qual envolve um desembolso conjunto de R$ 44 milhões, será capaz de transformar quimicamente, por meio do processo de pirólise, resíduos plásticos em matéria-prima circular certificada, que será utilizada para fabricação de resinas ou outros insumos químicos. O início das operações está previsto para o primeiro trimestre de 2023, com uma capacidade de produção de cerca de seis mil toneladas de produtos circulares por ano.

 

Segundo Heinz-Peter Elstrodt, sócio e presidente do conselho da Valoren, “após 6 anos de pesquisas e desenvolvimento de tecnologias inovadoras de pirólise de plástico, ficamos muito satisfeitos com mais essa parceria [...] e trabalhando em conjunto, em prol da reciclagem integrada (mecânica e avançada), seremos capazes de transformar a reciclagem de plásticos, aumentando significantemente o índice de reciclagem no Brasil”. 

 

Edison Terra, vice-presidente de olefinas e poliolefinas da Braskem na América do Sul, explicou que a companhia pretende estar à frente de projetos como este, “… queremos ser protagonistas de iniciativas que agreguem valor na cadeia produtiva e que contribuam de forma efetiva e tangível para a construção de uma sociedade mais sustentável […] Por meio dessas três frentes importantes, queremos fechar o ciclo da economia circular e melhorar os processos e caminhos ligados à reciclagem de resíduos plásticos no Brasil e no mundo”.

 

Rumo às próprias metas

Essas iniciativas estão diretamente relacionadas com as metas que a Braskem assumiu para os próximos anos. No esforço pela eliminação de resíduos plásticos, a companhia tem a intenção de ampliar seu portfólio de produtos incluindo 300 mil toneladas de resinas termoplásticas e produtos químicos com conteúdo reciclado até o ano de 2025, e, até 2030, 1 milhão de toneladas desses produtos. Ainda para 2030, trabalhará com esforços para suprimir a destinação de 1,5 milhão de toneladas de resíduos plásticos para incineração, aterros ou seu descarte no meio ambiente. 

 

“Essas ações são uma forma de tangibilizar a atuação da Braskem em todo o ciclo da economia circular, reforçando os compromissos da empresa com o desenvolvimento sustentável e incentivando outras pessoas e parceiros a também participarem de iniciativas que gerem menos impacto ao meio ambiente e, ao mesmo tempo, atendam necessidades de mercados e consumidores”, concluiu Terra.

(Fotos: divulgação Braskem; wayhomestudio via Freepik)


 

Conteúdo relacionado:

Reciclagem química de plásticos avança na Europa

Capacitação para cooperativas intensifica a reciclagem de plásticos



Mais Notícias PI



Crescimento em grande escala no horizonte dos bioplásticos

Estudo traça previsões para os negócios com bioplásticos nos próximos 10 anos, levando em conta as oportunidades de mercado, o grau de maturidade tecnológica e os desafios a serem enfrentados.

18/08/2022


Curso online sobre blendas poliméricas

Propriedades e aplicações de blendas estão entre os temas que serão abordados por um especialista em polímeros.

16/08/2022


Bioplásticos na coleta de lixo orgânico

Curitiba vai testar o uso de sacos plásticos biodegradáveis na coleta de resíduos orgânicos.

16/08/2022