A Gualapack, companhia de origem italiana e especializada em embalagens flexíveis especiais, anunciou o seu plano de expansão no Brasil, tendo como objetivos a incorporação de novos produtos e soluções ao portfólio, o aumento de sua capacidade produtiva e a implantação de novas tecnologias com foco em soluções sustentáveis.

 

Envolvendo cifras da ordem de R$ 125 milhões, os investimentos da empresa no mercado brasileiro nos próximos dois anos incluem a aquisição de uma nova unidade produtiva, a Teruel Embalagens - Papéis Amália Ltda. - uma empresa familiar com mais de 50 anos de operação e especializada em impressão flexográfica em filmes flexíveis - com duas fábricas em território nacional, nas cidades de Jaguariúna (SP) e Ouro Fino (MG).  A italiana consolida assim a sua estratégia de internacionalização por meio da aquisição de um empreendedor local, o que garantiu o sucesso de sua entrada no mercado brasileiro.

 

Em 2015 a companhia adquiriu uma fatia majoritária da Tradbor (Iperó, SP), especializada em embalagens stand-up pouches sem bico para dosagem. Com a aquisição, passou a se chamar Gualapack Brasil e desenvolveu o mercado local desse tipo de embalagem com bico, iniciando pelo fornecimento para a fabricante de laticínios Catupiry. Após a aquisição, vieram as certificações de qualidade para segurança de alimentos que garantem a atuação no mercado global, a exemplo da British Retail Consortium (BRC) grau AA, que permite o atendimento de grandes marcas como Nestlé e Danone.

 

Alan Baumgarten, CEO da Gualapack Brasil, comentou que em 2020 a empresa trouxe a injeção de tampas para dentro da unidade, expandindo a sua capacidade de fornecer a solução completa para as embalagens, o que permitiu que a planta brasileira passasse a exportar para outras unidades do grupo. O executivo destacou também que “a aquisição da Teruel, que inclui tecnologias próprias patenteadas no país e no mundo, bem como a utilização de papel em embalagens flexíveis, contribui de forma essencial para a linha de produtos sustentáveis da Gualapack.”

 

Nesta segunda fase de investimentos, e agora com três plantas produtivas no Brasil, além da aquisição da Teruel, a companhia investirá em novas tecnologias e aumento de capacidade, viabilizando a fabricação local de itens sustentáveis como os filmes e pouches monomateriais, recicláveis e compostáveis. “A solução já é adotada por grandes clientes da empresa na Europa e agora estará disponível ao mercado brasileiro. Nosso posicionamento internacional nos permite trazer ao país tecnologias e produtos disruptivos e inovadores para atender grandes clientes globais e locais”, explicou Baumgarten.

 

Fotos: Gualapack


 

Conteúdo relacionado:

Embalagem flexível tipo bolsa 100% em polietileno para o setor alimentício

Associação aposta na recuperação do setor de embalagens no segundo semestre


 

#Gualapack #standuppouches



Mais Notícias PI



Novos polímeros com grafeno, mais resistentes e sustentáveis

Parceria entre a Gerdau Graphene e a unidade Embrapii Senai Mario Amato terá foco na pesquisa, desenvolvimento e inovação para aplicações industriais do grafeno em plásticos.

18/01/2022


Poluição marinha por plásticos em debate

A AMI promove gratuitamente o evento virtual “Ocean Plastic”, que falará sobre como encontrar maneiras de resolver o problema da poluição marinha por plásticos.

17/01/2022


Sachês pós-consumo transformados em itens esportivos

Projeto que integra a Boomera e a marca Nescau resultou na reciclagem de resina pós-consumo, proveniente de embalagens flexíveis, em itens esportivos, os quais foram doados a organização beneficente.

14/01/2022