A norueguesa Tomra, desenvolvedora de equipamentos para reciclagem (separação e triagem) de resíduos sólidos, com unidade brasileira em São Paulo (SP), firmou uma parceria com a instituição Exchange4Change Brasil, uma think tank coordenada pela engenheira Beatriz Luz, que promove a troca de experiências e a interação entre empresas de diferentes elos das cadeias produtivas com o objetivo de acelerar a implementação de práticas que estejam de acordo com princípios de economia circular no Brasil.

Essas ideias estão se materializando pela formação de um ecossistema que reúne empresas líderes comprometidas a trabalharem juntas para superarem barreiras e viabilizarem projetos. O hub formado pela instituição já conta com a participação de companhias e instituições como Gerdau, Nespresso, Plastiweber, Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Electrolux entre outros. Também já promoveu discussões junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e à Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Temos um grande interesse nesta iniciativa, pois acreditamos que contribuirá diretamente para a consciencialização das empresas e órgãos governamentais de que só é possível aumentar a circularidade dos materiais com a união de toda a cadeia produtiva. Além disso, acreditamos que com a implantação das centrais de triagem de resíduos sólidos, uma indústria recicladora bem estruturada e com o uso de materiais secundários pela indústria, podemos viabilizar a circularidade dos materiais no Brasil.”, explicou Carina Arita, diretora comercial da Tomra no Brasil.

Para Beatriz Luz, “é importante que o mercado compreenda a necessidade urgente de redefinir o mindset de negócios e que é possível crescer e se desenvolver sem deixar pra trás um passivo ambiental e social. A importância de trazermos o debate da economia circular para o Brasil é a demonstração deste senso de urgência, e que não podemos mais trabalhar de forma compartimentada e com um olhar de curto prazo”.


 

A engenheira defende também que o mercado brasileiro tenha um olhar diferenciado para a reciclagem, e que não basta investir em tecnologia se a cadeia não estiver conectada. “Temos de unir todos os atores e trabalhar na articulação completa da cadeia de valor para garantir o fornecimento de matéria prima de qualidade para o mercado com rastreabilidade, escala e viabilidade econômica”, concluiu.


 

Resíduos plásticos no Brasil

De acordo com um relatório sobre a poluição por resíduos plásticos da WWF, divulgado em 2019, o Brasil é o quarto maior produtor de resíduos plásticos do mundo, atrás apenas de Estados Unidos, China e Índia. Embora o País tenha uma alta taxa de coleta de plásticos para reciclagem, ainda encontramos na composição média do resíduo descartado no Brasil 13% de plásticos, tanto flexíveis quanto rígidos, conforme dados do Ministério do Meio Ambiente. Ou seja, cerca de 9,5 milhões de toneladas de plásticos foram aterradas em 2018, considerando-se a geração de 79 milhões de toneladas de lixo em 2018, de acordo com o Panorama dos Resíduos Sólidos 2018/2019, produzido pela Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública (Abrelpe).

Esse material plástico com potencial de reciclagem poderia ser recuperado se os resíduos sólidos fossem processados e triados antes do seu descarte final. Todo o material reciclável pós-consumo que é recuperado dos resíduos, seja por catadores ou em centrais de triagem é facilmente comercializado e aproveitado pela indústria recicladora. “O desafio, atualmente, está em como aumentar o volume de material recuperado e, conseqüentemente, a fonte de material para a reciclagem. Para suprir essa demanda as centrais de triagem de resíduos sólidos urbanos com grandes capacidades – até 1.000 toneladas por dia ou até mais – podem promover a recuperação dos recicláveis contidos nesses resíduos que atualmente estão sendo depositados em aterros e lixões para retornarem à cadeia produtiva”, afirmou Carina Arita.


 


 

#plásticoseeconomiacircular

#reciclagemdeplásticos


 


 

Conteúdo relacionado:

Removedor de rótulos simplifica a reciglagem de garrafas plásticas

Mercado europeu de reciclagem sente os efeitos da Covid-19


 


 



Mais Notícias PI



Sachês pós-consumo transformados em itens esportivos

Projeto que integra a Boomera e a marca Nescau resultou na reciclagem de resina pós-consumo, proveniente de embalagens flexíveis, em itens esportivos, os quais foram doados a organização beneficente.

14/01/2022


Empresa supera sua meta de uso de material reciclado

A SC Johnson superou sua meta de uso de 15% de plástico reciclado em suas embalagens quatro anos antes do previsto e, agora, quase dobra a aposta para usar 25% até 2025.

12/01/2022


Alta da produção de resinas recicladas nos últimos anos

Mais de um milhão de toneladas de resinas recicladas foram produzidas em 2020 no Brasil, de acordo com levantamento da MaxiQuim. Também foi percebido aumento do consumo de resíduos plásticos entre 2019 e 2020.

07/12/2021