A manufatura aditiva, ou impressão 3D, trouxe para os processos produtivos uma flexibilidade de projeto impossível de ser alcançada por outros meios de forma tão rápida.

Quando utilizados substratos metálicos para a impressão, é possível obter peças finais não seriadas com propriedades mecânicas que não deixam nada a desejar para processos mais antigos e consolidados como a usinagem.

Um dos usos para a impressão 3D de metais é a confecção de matrizes e moldes para a transformação de plásticos. O processo torna possível construir os canais de resfriamento de resina de forma otimizada, com a geometria que melhor atender ao projeto da peça final.

A tecnologia ainda é pouco conhecida do mercado brasileiro, mas é bastante promissora. Conforme explicou Diogo Corazza, gerente de aplicação na alemã Trumpf, desenvolvedora da máquina para impressão 3D TruPrint, “é muito mais simples fazer a impressão 3D dos diversos canais, o que não se conseguiria fazer ou seria impossível fazer com o processo normal de usinagem”.

Os moldes com múltiplos canais são indicados para a injeção de peças que exigem resfriamento rápido para alcançar a qualidade desejada. Quanto maior o número e melhor a localização dos canais para passagem da água, mais rápido será o resfriamento

 

A execução desses canais pode ser feita por usinagem, mas demanda muitas horas de trabalho e em alguns casos não é possível a construção da geometria ideal, tendo como agravante a perda de material que é típica de processos subtrativos e a impossibilidade de executar trajetórias curvas com as brocas.

 

De acordo com Diogo, boa parte dessas questões são resolvidas com o uso da impressão 3D: “Posso começar o canal com um círculo e terminar com um quadrado, por exemplo; posso derivar, entrar num ângulo e derivar novamente, criando uma estrutura como se fosse uma árvore, cheia de galhos”, informou.

 

O problema das primeiras máquinas para impressão de metais era a área de impressão pequena, o que tem sido contornado por diversos desenvolvedores de equipamento. As séries TruPrint 3000 e 5000, por exemplo, possuem áreas de trabalho que vão até 300 mm de diâmetro por 400 mm de altura, com vários sistemas de controle integrados, que garantem a qualidade uniforme no corpo todo da peça, levando em conta aspectos como densidade, propriedades mecânicas, quantidade de pó disponível, qualidade da peça camada a camada etc.

 

Além de serem muito produtivos devido à opção de se utilizar mais de um laser na mesma máquina, os equipamentos são controlados remotamente. No entanto, na opinião do gerente de aplicação, trata-se de uma tecnologia que exige o estudo de custos mais apurado, devido ao custo inicial do equipamento, que ainda não se compara ao de um centro de usinagem, por exemplo.

 

Deve-se considerar, porém, a qualidade superior da peça processada, o que também impacta na aceitação do mercado. A Trumpf tem oferecido total suporte às empresas que possuem interesse na tecnologia de construção de moldes com canais de resfriamento já incorporados por impressão 3D, abordando desde o cálculo do custo da peça até a fabricação de um protótipo em tamanho real sem custo para o cliente, dependendo do material a ser usado.


 

Foto: Trumpf

 

Conteúdo relacionado:

 

Impressora 3D de peças metálicas será instalada em centro de pesquisa na USP

Impressora multimateriais é desenvolvida entre parceiros europeus

 

#impressão3Ddemetais #Truprint #Trumpf



Mais Notícias PI



PA reciclada a partir de aparas industriais

A japonesa UBE desenvolveu dois novos grades de PA reciclada proveniente de aparas industriais de filmes. O material é ideal para produção de monofilamentos.

15/10/2021


Cursos técnicos gratuitos com vagas abertas para 2022

Unidade de São Bernardo do Campo (SP) da Escola Senai oferece mais de 80 vagas, em diversos períodos, para curso técnico gratuito especializado em química e materiais plásticos.

15/10/2021


Gestão empresarial e sustentabilidade

Saiba mais sobre o livro que reúne diálogos sobre teoria, conceitos e metodologias relacionados à gestão empresarial para a sustentabilidade.

14/10/2021