A Placon, fabricante norte-americana de embalagens, desenvolveu um material à base de poli(tereftalato de etileno) (PET) com propriedades de barreira ao oxigênio voltado à fabricação de embalagens termoformadas, que proporciona um tempo de validade mais extenso para alimentos e melhor índice de reciclabilidade à embalagem.

 

Segundo informações da Placon, o novo material de barreira lançado sob a marca OxyStar, utiliza multicamadas de PET com uma barreira ativa contra o O2 (agente sequestrante de oxigênio), que impede a entrada do gás por meio de uma reação em cadeia de radical livre, dentro das paredes laterais da embalagem. O PET possui uma taxa de transmissão de oxigênio (ou OTR, do inglês, oxygen transmission rate) naturalmente baixa e essa construção retarda o fluxo de moléculas de oxigênio através da embalagem. Assim que o agente encontra uma molécula de oxigênio, há uma interação entre eles, impedindo sua passagem e mantendo o produto fresco. Ao longo da vida útil do agente ativo, o ingresso de oxigênio se mostrou próximo de zero.

 

Boa parte das soluções atuais de PET com barreira – embalagens com capacidade de mitigar a entrada de gases em seu interior e assim preservar por mais tempo os alimentos – consistem em diversas camadas de diferentes materiais para garantir tal funcionalidade. Porém, essas embalagens são classificadas com o número sete (♹) na simbologia de reciclagem (em âmbito nacional e internacional), o que diminui suas chances de recuperação por meio de processos mais comuns como a reciclagem mecânica, por exemplo, se comparadas às embalagens de PET monocamadas, que possuem identificação de número um (♳).

 

Já o OxyStar, por ser feito exclusivamente de PET, recebe a identificação de número um, o que, de acordo com a companhia, o qualifica como o primeiro material de barreira com essa identificação. Esse princípio é fundamental para a Placon, no sentido de apoiar o fluxo fechado de reciclagem do PET. Assim, além de preservar melhor seu conteúdo, a embalagem de barreira pode ser reciclada por processos mais comuns.

 

Assista abaixo o vídeo introdutório da tecnologia, publicado pela Placon em seu canal oficial no YouTube.

 

Segundo Brian Hodek, gerente de vendas da Placon, “esta aplicação de barreira levou um tempo significativo para ser desenvolvida, mas nossa equipe já começou a trabalhar com clientes-chave nos Estados Unidos e prevemos muitos mais clientes perguntando sobre OxyStar conforme começamos a desenvolver novas embalagens de alimentos personalizadas nos próximos meses”.

 

O novo material é recomendado para uso em embalagens de contato primário (contato direto) com alimentos como: proteína animal, queijos, alimentos com alto teor de gordura (nozes e óleos) e alimentos com alto teor de vitamina C.

 

Além disso, a companhia disponibiliza em seu site o download gratuito de um documento sobre a tecnologia desenvolvida e apresenta um gráfico comparativo do OTR entre o PET, do EVOH e o OxyStar.

 

(Imagem: Placon)

#petcombarreira #termoformacao #embalagemtermoformada #reciclagempet



Mais Notícias PI



Mais aproveitamento na reciclagem de fios e cabos 

Empresa do ABC paulista desenvolveu maquinário que separa o material polimérico dos metais presentes em fios e cabos, garantindo, em alguns casos, 99,9/% de pureza para o cobre obtido.

24/05/2022


Linha de filme reciclado é premiada internacionalmente

Empresa gaúcha foi premiada por organização internacional pela sua linha de plástico filme 100% reciclado, voltada a aplicações de alto desempenho.

17/05/2022


Avanços na reciclagem química dos plásticos

Braskem investe em novas unidades recicladoras e cria campanha para esclarecer sobre a reciclagem química.

17/05/2022