Nos últimos meses, devido aos recentes acontecimentos ocasionados pela pandemia de Covid-19, diversos filmes e películas plásticas foram desenvolvidos a fim de combater o vírus e a sua proliferação. Desse modo, uma parceria entre a Braskem e Alpfilm (ambas instaladas em São Paulo, SP) resultou no desenvolvimento do PVC AlpFilm Protect, um filme plástico transparente de PVC com micropartículas de prata e sílica capaz de inativar 79,9% do novo coronavírus em três minutos e 99,99% em até 15 minutos.

 

Segundo informações da Braskem, sua equipe de engenharia de aplicação de vinílicos apoiou a Alpfilm no desenvolvimento da formulação que dá origem ao filme, potencializando a proteção contra fungos e bactérias, e atingindo a função virucida (capaz de eliminar vírus). Em um segundo momento, o filme plástico recebeu adição de prata e sílica a partir da tecnologia desenvolvida e licenciada pela empresa paulista Nanox com apoio do Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE).

 

Assim como em outros desenvolvimentos já citados por Plástico Industrial, os testes para comprovar a capacidade da embalagem plástica de eliminar o SARS-CoV-2, vírus que provoca a Covid-19, foram conduzidos pelo laboratório de biossegurança de nível 3 (NB3) do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) e de acordo com a ISO 21702:2019, norma técnica de medição da atividade antiviral em plásticos e outras superfícies não porosas.

 

Para Almir Cotias, diretor do Negócio de Vinílicos da Braskem, área responsável pela produção da matéria-prima do filme, a eficácia reforça mais uma vez a relevância do plástico em iniciativas que visam à saúde e segurança da sociedade. “O plástico tem sido um grande aliado da população no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. As soluções em PVC viabilizam a produção de uma série de itens essenciais, que vão desde produtos médico-hospitalares até embalagens, que garantem a segurança alimentar, higiene e limpeza, entre outros, reforçando a luta contra a Covid-19”.

 

Alessandra Zambaldi, diretora de Comércio Exterior e Marketing da Alpes (nome de fundação da Alpfilm), explicou que “o produto existe desde 2014 e já contava com propriedades antifúngicas e bactericidas graças à presença de micropartículas de prata, mas com a pandemia o submetemos a uma série de estudos para adequações em sua composição com o objetivo de assegurar sua eficácia antiviral, em especial contra o novo coronavírus. Diante dos desafios impostos pela Covid-19, decidimos voltar nossas atenções para a pesquisa e desenvolvimento dessa evolução do produto para a inativação do novo coronavírus por contato”.

 

De acordo com a Braskem e a Alpfilm, o produto já está disponível para o mercado, é normalmente utilizado para embalar alimentos como carnes, frutas e frios e agora incorpora a possibilidade de aplicação como proteção de superfícies.

 

(Foto: Braskem)

#filmeantiviral #combateacovid19 #braskem #alpfilm

 

Conteúdo relacionado:

Novas películas plásticas antivirais made in Brasil

Fabricante de polímeros adquire especialista em biocidas



Mais Notícias PI



Novos polímeros com grafeno, mais resistentes e sustentáveis

Parceria entre a Gerdau Graphene e a unidade Embrapii Senai Mario Amato terá foco na pesquisa, desenvolvimento e inovação para aplicações industriais do grafeno em plásticos.

18/01/2022


Poluição marinha por plásticos em debate

A AMI promove gratuitamente o evento virtual “Ocean Plastic”, que falará sobre como encontrar maneiras de resolver o problema da poluição marinha por plásticos.

17/01/2022


Sachês pós-consumo transformados em itens esportivos

Projeto que integra a Boomera e a marca Nescau resultou na reciclagem de resina pós-consumo, proveniente de embalagens flexíveis, em itens esportivos, os quais foram doados a organização beneficente.

14/01/2022