A Global PET (São Carlos, SP), especializada na reciclagem de PET, está ampliando a sua capacidade produtiva de 1.500 para 2.500 toneladas /mês de resina reciclada pós-consumo (PET-PCR) e investindo em novos equipamentos tendo em vista, simultaneamente, melhorar a qualidade do material que fornece.

O mercado-alvo da empresa até agora tem sido o segmento de embalagens para cosméticos, higiene pessoal e limpeza, mas os investimentos nas instalações para processamento e na consequente melhoria da qualidade da resina já estão ocasionando mudanças nesse cenário. De acordo com Irineu Bueno, diretor da empresa, nos próximos meses a demanda do setor alimentício passará a ser mais representativa que a dos demais.

A empresa já vinha fornecendo seu PET-PCR para a fabricação de frascos de cosméticos de empresas como a Natura e a Unilever. Esta última utiliza a resina nas embalagens da Love Beauty and Planet, sua linha de cosméticos que segue orientação ambientalmente amigável, cumprindo requisitos como o uso de matérias-primas de fontes renováveis, sem realização de testes em animais e, sobretudo, o envase em frascos feitos com material 100% reciclado.

A conquista desses mercados pela Global PET se deve à vocação de oferecer um atendimento totalmente individualizado a seus clientes, com possibilidade de desenvolvimento de formulações sob medida em termos de viscosidade e coloração.

As instalações da empresa contam hoje com um sistema de lavagem desenvolvido internamente, que consome apenas 300 ml de água por quilograma de flake. A classificação é feita por radiação próxima da infravermelha.

A secagem dos flocos de garrafas PET também foi renovada, substituindo-se o método por convecção de ar seco por uma nova tecnologia que utiliza radiação infravermelha para o aquecimento e secagem. Para adotá-la, a Global PET contou também com o apoio do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), por meio do qual foi avaliada a eficiência do método.

A extrusão dos grânulos é feita em máquinas de dupla rosca cônica, que proporcionam menor índice de cisalhamento, evitando a degradação por fadiga do material. A filtragem tem precisão na faixa de 58 micra, assegurando um material com garantia de qualidade para conquistar inclusive a indústria de alimentos. Ao final, toda a resina é submetida ao processo de pós-condensação em bateladas, que proporciona um alto grau de descontaminação, atendendo a RDC-20/2008 da ANVISA, com garantia de exatidão na viscosidade intrínseca e regularidade de cor nos lotes de resina.

 

 



Mais Notícias PI



Cresce o interesse em tecnologia digital

Estudo abordou os tipos de tecnologia digital que estão no radar da indústria de manufatura, e trouxe um panorama das áreas em que eles poderão ser usados.

06/08/2020


2º Webinar Plástico Industrial debaterá a indústria 4.0 no setor de plásticos

Evento acontece na próxima quarta-feira, dia 12/08/20, às 17h30

05/08/2020


Aditivo antimicrobiano para plásticos tem eficácia comprovada contra o novo coronavírus

Disponível no Brasil desde 2016 e fornecida na forma líquida ou em grânulos, a substância foi avaliada e teve sua eficácia comprovada em testes laboratoriais que apontaram a redução de mais de 99,84% do coronavírus presente nas superfícies dos plásticos analisados.

05/08/2020