A Braskem está lançando um portfólio de resinas baseadas em polipropileno (PP) desenvolvidas exclusivamente para uso pela indústria de manufatura aditiva (impressão 3D). Recicláveis, com boa resistência ao impacto e estabilidade dimensional, os PPs da nova linha serão fornecidos na forma de grânulos ou filamento, ambos produzido no Brasil, e em pó, importado dos Estados Unidos. Os produtos podem ser utilizados tanto em impressoras 3D industriais, como em máquinas tipo desktop.

 

Os filamentos estão disponíveis nos diâmetros de 1,75 e 2,85 mm e foram desenvolvidos tendo em vista o melhor balanço de propriedades mecânicas, estabilidade dimensional e desempenho em impressão para os usuários. Já o pó de polipropileno, desenvolvido para o processo de sinterização seletiva a laser (SLS), é resultado de parceria da empresa com a ALM (Advanced Laser Materials), subsidiária da EOS América do Norte, e se destaca pelo  desempenho mecânico, estabilidade dimensional das peças impressas e altas taxas de reúso do pó remanescente no leito de impressão ao final de cada ciclo. Já o produto de PP na forma de grânulos foi desenvolvido em colaboração com a Titan Robotics, com foco na plataforma Atlas de impressão 3D por extrusão de grânulos em escala industrial.

 

Para o gerente de Inovação e Tecnologia para Manufatura Aditiva da Braskem, Fabio Lamon, o novo portfólio da empresa permite que os processos de impressão 3D se tornem ainda mais sustentáveis no Brasil. “A manufatura aditiva, por si só, é um processo cuja natureza é de não-desperdício, pois se baseia na fabricação de uma peça tridimensional por meio da adição de camadas de matéria-prima a partir de um arquivo digital 3D, o que viabiliza a liberdade total de formato e elimina as perdas e os resíduos comuns em diversos processos tradicionais de fabricação. Cabe ressaltar que o polipropileno desenvolvido para essa aplicação possui a mesma reciclabilidade que as demais resinas termoplásticas produzidas pela Braskem e utilizadas em outros processos de transformação”, informou.

 

Os produtos na forma de filamentos e grânulos para uso direto em impressoras 3D podem ser adquiridos diretamente com a Braskem, e os produtos na forma de pó são comercializados globalmente pela ALM (Advanced Laser Materials). Os filamentos de PP da Braskem também podem ser adquiridos por meio da 2M3D, distribuidora oficial de filamentos de impressão 3D da Braskem para a América do Sul.

 

Aposta na manufatura aditiva

A impressão 3D está se tornando cada vez mais relevante para a Braskem, enquanto fabricante de matéria-prima, pela perspectiva de crescimento de mercado. Trata-se de uma tecnologia disruptiva e com forte apelo de inovação, relevante no contexto de indústria 4.0 e associada a aspectos de sustentabilidade, por se tratar de um processo de manufatura totalmente descentralizada, que minimiza perdas e descarte de materiais, além de impactos logísticos.

 

As primeiras iniciativas da companhia nessa área tiveram início em 2013, com o projeto Imprimindo o Futuro, uma parceria com a Made In Space, fornecedora da NASA, para desenvolvimento de uma impressora 3D para operação em gravidade zero. O equipamento produzido e enviado à Estação Espacial Internacional, em 2016, usa o polietileno I’m greenTM bio-based da Braskem, produzido a partir da cana-de-açúcar, e ganhou, em 2019, o apoio de uma recicladora na qual a equipe de astronautas poderá transformar resíduos plásticos em matérias-primas para produção de novos itens.  

 

 “Como maior produtora de resinas termoplásticas das Américas, a Braskem está sempre evoluindo e aprimorando seu portfólio para atender às necessidades de nossos clientes. O lançamento do portfólio para impressão 3D é mais um passo em nossa evolução. Estamos entusiasmados com o desempenho de nosso polipropileno em relação a outros materiais disponíveis no mercado e acreditamos que a disponibilidade nas formas de pellets, filamentos e pó ajuda a fortalecer ainda mais o grande potencial que vemos para o mercado global de impressão 3D", comenta Jason Vagnozzi, diretor comercial de Manufatura Aditiva da Braskem.

 

Impressões 3D no combate ao novo coronavírus

A Braskem doou, em julho, 120 bobinas de filamentos plásticos para produção de máscaras de modelo face-shield e partes de respiradores artificiais, itens essenciais para o combate à pandemia da covid-19. Além disso, a companhia disponibilizou seu time de especialistas em manufatura aditiva para prestarem apoio ao trabalho de doze centros de pesquisa em impressão 3D, nos estados da Bahia, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo.

 

O filamento de polipropileno (PP) produzido pela Braskem para uso em impressoras 3D foi convertido em hastes para cerca de cinco mil face-shields, distribuídas aos profissionais de saúde que atuam em hospitais da rede pública nas respectivas regiões dos centros de pesquisa.

 

Na Bahia, o produto foi doado à Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado da Bahia, que redistribuiu para sete centros tecnológicos do SENAI no interior do estado. No Rio de Janeiro, a iniciativa beneficiou o centro de pesquisa em impressão 3D da Pontifícia Universidade Católica (PUC-RJ). No Rio Grande do Sul, o Parque Científico e Tecnológico (Tecnopuc) da PUC-RS e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), coordenados pelo grupo Brothers in Arms, receberam os filamentos. Em São Paulo, o material foi entregue à 3D Criar e a Inkubetech, que apoiam o Projeto Hígia, que promove a fabricação de protetores faciais para hospitais.

 

 

 

Conteúdo relacionado:

 

Garantia de qualidade para dispositivos médicos impressos em 3D

 

PP para impressão 3D industrial


 

#manufatura aditiva

#Braskemimpressão3D



Mais Notícias PI



Certificação de “circularidade” para filmes plásticos

Produtora de filmes para alimentos recebeu avaliação A pela Circulytics, da Fundação de Ellen MacArthur, uma ferramenta de medição do desempenho de empresas com relação à atuação em conformidade com princípios de economia circular.

23/10/2020


Estudo analisa o impacto da Covid-19 sobre o balanço das empresas

Levantamento realizado pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) junto a 240 empresas de capital aberto mostra as consequências da pandemia de Covid-19 sobre o seu desempenho e recuperação da rentabilidade.

20/10/2020


Sensores sem bateria, a transição sustentável para a fábrica do futuro

Prevendo o aumento exponencial de dispositivos industriais de internet das coisas (IoT), empresa desenvolve sensores que funcionam ininterruptamente e sem baterias.

20/10/2020