Em tempos de pandemia do coronavírus e suas óbvias consequências negativas para a economia, poucas empresas estão arriscando aportar investimentos em um mercado tão cheio de incertezas como o brasileiro. A Starrett, uma das principais fabricantes de ferramentas no mundo, é uma delas.

Radicada há 65 anos em solo nacional, a companhia anunciou recentemente a contratação de Leandro Oliveira da Cruz para o posto de novo diretor comercial para a América Latina, com a missão de buscar novas oportunidades e ampliar a presença da marca no continente, especialmente no ambiente digital. Além disso, prepara melhorias em sua fábrica de Itu (interior de São Paulo) e quer aprimorar a área de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento), entre outras decisões. 

Em entrevista à Máquinas e Metais, Christian Arntsen, presidente da Starrett no Brasil, explica as estratégias que a empresa pretende adotar no futuro próximo, visando aproveitar um cenário que é de um “otimismo cauteloso”, em suas próprias palavras. Uma delas é a transformação de sua unidade paulista em único lugar no mundo inteiro destinado à construção de serras, decisão que deve aumentar a mão de obra direta local em 20%. Boa notícia em um país que está sofrendo com índices de desemprego de mais de 13% da população.

MM - Como a Starrett está se preparando para a expectativa geral da indústria de transformação em 2021?
Christian Arntsen - Nós estamos otimistas, mas eu diria que é um otimismo cauteloso. Temos que olhar para o cenário como um todo. A indústria de metalmecânica está voltando mês a mês. O pico na área de construção não deve durar muito, talvez até o segundo trimestre, mas ainda assim tem tudo para garantir um crescimento de cerca de 15 e 20%, números que ainda são muito fortes em comparação com o momento anterior à pandemia. 

O mundo nunca foi tão VUCA (Volatilidade, Incerteza, Complexidade e Ambiguidade) como agora . Eu digo para as minhas equipes: “Não temos como saber o futuro. Nem os grandes economistas conseguem prever muita coisa. Então, temos que olhar cada índice e KPI do nosso negócio e sermos ágeis”. 

Estamos contratando mais funcionários e investindo muito forte na fábrica instalada em Itu, com a construção de um prédio e a chegada de diversas máquinas. Com essa ampliação e consolidação, a Starrett do Brasil irá produzir e fornecer serras para o grupo todo. No cenário global, tivemos um bom crescimento e a perspectiva para 2021 é muito satisfatória.


A empresa tem planos de investir na aquisição de máquinas-ferramenta para atender à demanda?
A Starrett está investindo cerca de R$ 40 milhões em sua fábrica de Itu. O aporte dará suporte à unificação de toda a fabricação de serras-copo, serras de fita bimetálicas e serras de fita de carbono (DFB) até o final de 2021. Esta operação faz parte da estratégia mundial da empresa que pretende tornar a marca mais competitiva globalmente, transformando a fábrica brasileira em responsável por fornecer toda a linha de serras para os Centros de Distribuição espalhados pelo mundo e para outras plantas do grupo.  

A intenção da empresa é continuar investindo em P&D no Brasil para prosseguir no desenvolvimento de tecnologia de última geração. Isto é reflexo do excelente trabalho da equipe local da Starrett, que deu segurança ao conselho diretor para fazer tamanho investimento e concentrar toda a produção de serras na unidade de Itu, o que gerará um aumento de 20% da mão de obra direta. A grande maioria das máquinas que serão compradas estão sendo adquiridas na Europa e nos Estados Unidos.

Especificamente sobre o segmento de usinagem, qual a expectativa em relação à venda de serras de fitas e disco para o corte de blanques de metal nos próximos meses?
Temos visto uma melhora no segmento de metal, mecânica e usinagem. O pior momento foi em abril e maio do ano passado, com volumes de 70% a 80% abaixo dos níveis pré-Covid, mas isto tem melhorado gradualmente a cada mês. A nossa estimativa é que ainda estamos 20% abaixo do nível anterior à pandemia, mas queremos voltar a 100% até o fim deste primeiro semestre.



Mais Notícias MM



Mercado: setor de autopeças deve obter excelentes números em 2021

Levantamento da Sindipeças aponta que alta dos negócios no setor será de 25,5% em relação ao ano passado, com resultados ainda mais positivos em 2022

28/09/2021


Eventos: edição 2022 da AMS será realizada em março

Uma das principais feiras de manufatura aditiva do mundo, evento será realizado na cidade de em Nova York (EUA) em formato híbrido, com mais de 18 horas de eventos ao vivo

28/09/2021


Oportunidade: Setor ferroviário brasileiro vive boom de projetos

Programa do governo federal, que pretende facilitar a concessão de linhas férias, já recebeu pedidos para a autorização de iniciativas com mais de R$ 60 bilhões de investimentos

14/09/2021