Por Luiz Henrique Caveagna*

 

 

Embora o mês de novembro tenha sido um momento em que os reservatórios começaram a retomar o volume necessário de água e nós tenhamos nos distanciado de possíveis racionamentos e apagões, a crise energética no Brasil é um tema que segue como pauta prioritária, especialmente no setor industrial.

 

Em 2021 chegamos muito próximos a consequências drásticas com relação à escassez de energia elétrica, como aconteceu no ano de 2001. Neste sentido, entender seus impactos, desafios e como o mercado industrial pode superá-los é fundamental para transpor este obstáculo e projetarmos um futuro promissor no que se refere à produção e consumo de energia.

 

A indústria deve se preparar para os desafios da crise energética no Brasil

A crise energética no Brasil se deve, principalmente, aos efeitos climáticos e à falta de chuvas, uma vez que 65,2% da eletricidade no País é produzida a partir de hidrelétricas, de acordo com o Balanço Energético Nacional 2021, da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Neste sentido, mais do que encontrar alternativas para driblar momentaneamente este problema, é fundamental investir em soluções a longo prazo.


 

 

Impactos diretos para o setor industrial

 

Para a indústria, a crise energética no Brasil traz fortes incertezas e dificuldade para planejar o futuro. Eleva custos de produção e, consequentemente, o valor do produto final, o que afeta diretamente o mercado, bem como a cadeia econômica como um todo.

 

De acordo com a Confederação Nacional das Indústrias (CNI), na passagem de agosto para setembro de 2021, o alto custo da energia elétrica ganhou espaço entre os desafios apontados pelas empresas. Entre as companhias consultadas pela entidade, 24,7% apontaram a falta ou o alto custo de energia elétrica como a sua principal dificuldade.

 

Neste sentido, buscar fontes alternativas e adotar uma postura autossustentável torna as indústrias mais independentes e menos vulneráveis a estes fatores externos. É importante usar esses momentos de crise como lição e buscar outras opções, de forma a estar preparado para o futuro.

 

A Termomecanica (São Bernardo do Campo, SP) obteve certificação conforme a norma técnica ISO 50001, pelo sistema de gestão energética. Com o agravamento da crise, neste ano, a companhia lançou campanhas internas de conscientização de uso de energia e água e ainda intensificou ações visando reduzir o consumo de energia elétrica requerida nos seus processos de produção.


 

 

Perspectivas sobre a produção de energia elétrica no Brasil

 

No Brasil a energia eólica alcançou a terceira colocação no ranking de matrizes que mais produzem eletricidade, ultrapassando, justamente, o gás natural. Além da fabricação de equipamentos mais eficientes, a utilização de fontes alternativas de energia renovável, como solar e eólica, é uma tendência promissora para o futuro do setor, que se torna, cada dia mais, um caminho sem volta para um futuro mais consciente e sustentável.


 

*Luiz Henrique Caveagna é diretor-geral da Termomecanica.



 

Imagens: Pixabay e Termomecanica.



Mais Notícias CCM



Moldando um futuro mais sólido e seguro para a cadeia metalmecânica

Especialistas em mapeamento de ruídos oriundos de parques fabris dão exemplos de como empresas do segmento metalmecânico podem proteger a saúde auditiva de profissionais que atuam no chão de fábrica.

01/07/2022


A nova industrialização

Executivo aborda acontecimentos históricos que influenciaram a rotina da indústria de manufatura no Brasil e no mundo, bem como faz comentários sobre como tais fatos podem ser úteis para o planejamento de novas diretrizes para a cadeia produtiva.

16/06/2022


Mais alumínio no ramo de energia solar

Executivo faz um paralelo sobre as possibilidades de aplicação de alumínio na construção de itens para parques fotovoltaicos e o aumento da demanda por fontes de energia limpa e renovável.

23/05/2022