São animadores os dados que resumem o desempenho do setor de máquinas e equipamentos em dezembro de 2020. Divulgado pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) em entrevista coletiva no final de janeiro, o levantamento apontou a receita líquida de 13,4 bilhões de reais, um crescimento de 36,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior. A receita do ano de 2020 totalizou R$ 144,5 bilhões, representando um aumento de 5,1%.

 

O bom desempenho se baseou principalmente nas vendas internas, aquecidas desde o início do segundo semestre de 2020, marcado por surpreendentes resultados positivos nos últimos meses do ano. Apenas em dezembro, a receita doméstica cresceu 50,9% em comparação com o mesmo período do ano anterior. O aumento acumulado no ano foi de 11%.

 

O consumo aparente, que resulta da soma das compras de máquinas nacionais e importadas, também avançou em 2020, crescendo 37,3% em dezembro, em relação ao mesmo período do ano anterior. Mesmo com as importações se recuperando, as vendas de máquinas nacionais foram determinantes para esse resultado, tendo em vista que elas representam 52,5% do consumo aparente, contra os 47,5% representados pelo maquinário importado.

 

Setores que tiveram aumento expressivo da demanda incluem os de equipamentos para fabricação de bens de consumo e máquinas agrícolas, puxado pelo bom momento do agronegócio. As vendas para este setor subiram 27% em relação a 2019, com expectativa de crescimento de mais 7% este ano sobre o resultado de 2020.

 

O setor também está empregando mais: fechou 2020 com326,5 mil postos de trabalho, ou seja, cerca de 24 mil a mais que o registrado em 2019.

 

 

Balança comercial

 

As exportações de máquinas e equipamentos também registraram a primeira alta desde a pandemia, registrando 0,9% a mais na comparação interanual, o que indica boas perspectivas para 2021. Se concretizadas, elas remediarão as fortes quedas ocorridas no comércio exterior em 2020: as exportações da indústria de máquinas para transformação sofreram retração de 22,2%, enquanto as de máquinas para petróleo e energias renováveis caíram 37,2%

 

As importações de maquinário, que entre os meses de janeiro e dezembro de 2020 caíram 5,7%, voltaram a subir em dezembro na comparação interanual, registrando 11,9% a mais do que o mesmo mês do ano anterior. De acordo com  o presidente executivo da Abimaq, José Velloso Dias Cardoso, os números sinalizam uma perspectiva de crescimento sustentável em 2021, com a normalização das compras em diferentes setores à medida que o Brasil e os demais países com os quais temos relações comerciais avançarem em direção à imunização das suas populações, favorecendo a retomada consistente de todas as atividades econômicas.

 

Velloso ressaltou ainda a urgência de conclusão da reforma tributária para estimular as atividades econômicas, lembrando que elas são determinantes para o aumento do volume de investimentos no País, que hoje está entre 15 e 16% do Produto Interno Bruto (PIB). “É preciso que este índice fique entre 20 e 25%”, informou. A realização dos leilões para execução de obras em parceria público-privada (PPPs), o financiamento para pequenas e médias empresas, o estabelecimento de plena confiança jurídica e algumas privatizações também fariam parte, segundo ele, de um programa eficaz de estímulo aos investimentos.

 

 

Foto:Abimaq

#Abimaq #Máquinaseequipamentos

 

 

Reportagens similares:

 

Setor e duas rodas deverá produzir mais este ano

 

Reformas econômicas podem atrair investimentos em robôs industriais

 

 



Mais Notícias CCM



Lecar não vai mais produzir automóveis elétricos. Agora, só híbridos.

Empresa brasileira vai redirecionar esforços antes dedicados à fabricação de carros elétricos para o desenvolvimento de veículos híbridos flex, com sistema de tração elétrico.

01/07/2024


BMW inaugura estamparia de última geração para produzir carros elétricos

Estamparia com equipamentos de última geração foi inaugurada na unidade norte-americana da montadora alemã, criando mais de 200 novos empregos em áreas técnicas e operacionais.

01/07/2024


WEG anuncia investimento de R$ 69,5 milhões em inovação

Com financiamento do BNDES no valor de R$ 58 bilhões, a WEG vai investir na atualização do parque fabril, em cinco frentes de desenvolvimento tecnológico.

01/07/2024