A holandesa DSM, com unidade em São Paulo (SP), anunciou seu novo grade de polipropileno (PP) com carga de vidro e fornecido em formato de pellets desenvolvido especialmente para impressão 3D pelo método FGF (veja descrição abaixo), o que permitiria a produção simples e consistente de componentes estruturais e mais exigentes mecanicamente.

 

Chamado de Arnilene AM6001 GF (G), em que o “(G)” significa granulado, o material combina o desempenho mecânico, térmico e químico desejável do PP preenchido com vidro com a flexibilidade de um processo de impressão tridimensional. Se comparado ao PP comum, o material possui elevado índice de rigidez, temperatura de fusão na faixa de 165 °C, temperatura de transição vítrea em 5 °C, temperatura de uso contínuo na faixa de 135 °C e densidade de 1,12 g/cm³.

 

Processo de impressão 3D por FGF (fused granulate fabrication ou fabricação por granulado fundido)Tendo em vista a alta gama de aplicações do PP – principalmente por seu equilíbrio no que diz respeito ao seu custo, desempenho mecânico, térmico e químico – a DSM desenvolveu o grade reforçado com fibras de vidro especificamente para o método de manufatura aditiva por FGF, sigla proveniente do inglês “fused granulate fabrication” ou fabricação por granulado fundido, em tradução livre.

 

Conforme ilustrado na imagem, de acordo com o Manufacturing Guide, plataforma sueca sobre métodos industriais de fabricação, o processo FGF consiste em uma plataforma móvel (3) de construção na qual os grânulos (1) de plástico inseridos convergem para uma rosca de extrusão vertical (2) que gira, aquece e pressiona os grânulos até a sua fusão. A massa fundida e homogênea é forçada verticalmente através de um bico substituível (4), onde o fluxo é controlado pelo diâmetro e formato da passagem. Assim, o polímero é depositado com velocidade constante, construindo uma seção transversal do modelo a ser impresso. Após cada camada, a plataforma de construção (5) é abaixada e a próxima camada é adicionada. Se necessário, uma estrutura de suporte (6) pode ser impressa para assegurar a obtenção da geometria desejada. É necessário um pós-processamento para remoção dessa estrutura. Um vídeo sobre o processo pode ser assistido a seguir

 

BLB industries printing a house | BLB Industries (2017)

 

O Arnilene é recomendado para impressão direta de componentes estruturais e leves para o setor automotivo, de infraestrutura e gerenciamento de água, bem como ferramentas. A adoção dessa metodologia para produção descentralizada ou de baixo volume é vantajosa devido à redução de custos com a eliminação da necessidade de fabricação de ferramental, além do uso controlado de matéria-prima para produtos grandes.

 

Além disso, a companhia dispõe do Arnite AM8527 (G), um grade de poli(tereftalato de etileno) (PET) que, assim como o citado anteriormente, também foi desenvolvido para o processo de FGF. A companhia espera que o material seja uma solução econômica para a fabricação de ferramentas e componentes estruturais de grande porte com altos índices de desempenho térmico e mecânico para setores como automotivo e de construção civil.

 

(Imagens fontes: DSM e  Manufacturing Guide)

#plastico #impressaofgf #fusedgranulatefabrication

 

Conteúdo relacionado:

Polipropileno (PP)

Suporte para materiais de engenharia







Mais Notícias PI



Acordo para distribuição de resinas fotocuráveis

Empresa brasileira adquire direito exclusivo de distribuição das resinas fotocuráveis da marca Ultracur3D.

20/10/2020


Processos de impressão tridimensional: uma atualização

A manufatura aditiva, ou impressão 3D, é um método de fabricação que abarca diferentes processos, mas tendo sempre por princípio a adição de material passo a passo até a obtenção de uma peça final ou ferramental.

14/10/2020


Nova linha de PP para manufatura aditiva

Petroquímica lança linha de polipropileno para impressão 3D, disponíveis na forma de filamentos, grânulos ou pó.

13/10/2020