O Instituto de Processamento de Plásticos da Universidade de Aachen (IKV) está trabalhando em parceria com a empresa KHS Corpoplast GmbH no desenvolvimento de revestimentos a plasma para garrafas PET reutilizáveis. O objetivo é a formação de uma barreira a gases eficaz e que não sofra danos durante a lavagem e higienização dos recipientes para um novo uso.

 

O projeto foi reconhecido com o Prêmio de Eficiência de Materiais, concedido pelo Ministério de Assuntos Econômicos e Energia (BMWi) da Alemanha para produtos, processos e pesquisas considerados eficientes. Financiado pela Fundação Alemã de Pesquisa (DFG), o estudo está alinhado com a proposta de que a economia circular bem-sucedida no setor de plásticos implica manter os produtos em uso pelo maior tempo possível.

 

As garrafas PET reutilizáveis de última geração recebem um revestimento de barreira SiOx aplicado por plasma. Porém, ele não é resistente à solução de soda cáustica normalmente usada na lavagem que precede o seu reuso. Essa desvantagem foi o foco da pesquisa realizada pelo IKV e pela KHS Corpoplast, que desenvolveram de forma conjunta um sistema de recobrimento baseado no uso de plasma de baixa pressão excitado por microondas.

 

Retornáveis em desvantagem

Apesar de apresentar vantagens ambientais, as garrafas PET reutilizáveis são pouco usadas na Alemanha em relação às de uso único, que são recicladas. Apenas 0,5% dos frascos de sucos, por exemplo, são retornáveis.

De acordo com levantamento do IKV, a reciclagem não fecha totalmente o ciclo, pois apenas 30% do PET reprocessado é usado na produção de novas garrafas de uso único. Isso se deve, entre outras coisas, ao fato de que o material pode ser reciclado no máximo dez vezes, tendo em vista que as cadeias moleculares são encurtadas a cada operação de reprocessamento, acarretando a deterioração das propriedades do material. Os 70% restantes são usados pela indústria têxtil, entre outras.

As garrafas reutilizáveis, por outro lado, podem passar por higienização e reuso até 20 vezes, o que oferece um grande potencial de economia de recursos. “Se assumirmos que uma garrafa de PET reutilizável executa o trabalho de 15 unidades de uso único, seria possível, economizar

cerca de 260 mil toneladas de PET na Alemanha a cada ano”, declarou o instituto em comunicado à imprensa sobre a pesquisa, considerando o caso de garrafas PET de 0,5 litro com peso de 24 g. Em 2018, 72% de todas as bebidas não alcoólicas na Alemanha foram vendidas em garrafas PET de uso único, o que equivale a 16,4 bilhões de unidades ou 394 mil toneladas de PET virgem por ano.

 

Conteúdo relacionado:

Reciclagem de PET segue em frente, apesar da pandemia

Mercadod e reciclados em risco

 

Foto: IKV

 

#IKV

#PETretornável



Mais Notícias PI



Reciclagem de tampas plásticas movimenta negócios e trabalhos sociais

Programa socioambiental dá sequência à coleta e comercialização de tampas de embalagens feitas em termoplásticos durante a atual crise sanitária visando ampliar parcerias.

23/07/2020


Coalizão para a reciclagem de PP

Instituições e empresas dos Estados Unidos lançam movimento que visa aumentar os índices de reciclagem do polipropileno, material que ainda é pouco reaproveitado.

08/07/2020


inpEV disponibiliza relatório de sustentabilidade gratuitamente

Estudo traz informações atualizadas sobre iniciativas nos ramos de logística reversa e reciclagem de embalagens e tampas plásticas. Aborda também ações que visam à conscientização acerca da higienização e descarte corretos de produtos pós-uso.

01/07/2020